Cultura

Cultura

Cultura significa tudo que é feito, aprendido ou compartilhado por membros de uma sociedade: valores, crenças, comportamentos, símbolos, línguas e objetos materiais. Sociedade significa um grupo de pessoas que vivem em um território definido e que compartilham uma cultura. Evidentemente, cultura é um componente fundamental de toda sociedade.

A cultura influencia crenças e comportamentos. Alguém que mora no Brasil provavelmente tem hábitos diferentes de pessoas que moram em outros países – nos Estados Unidos, na China, na Índia ou na França. A cultura influencia não apenas a língua, mas até a linguagem corporal das pessoas, a forma como se cumprimentam e os valores considerados importantes.

A teoria funcionalista ensina que a cultura contribui para uma ordem social contínua, pois transmite a forma como as pessoas devem se comportar em determinadas situações. A cultura também permite com que as pessoas se beneficiem dos sucessos realizados por gerações passadas.

A Teoria do Conflito de Karl Marx, por outro lado, sustenta a ideia de que a cultura justifica a desigualdade. De acordo com o pai do socialismo, a classe dominante, isto é, a burguesia, produz uma cultura que promove seus próprios interesses e que, simultaneamente, reprime os do proletariado.

Cultura material e não material

Culturas diversas
Laternas de seda. Vietnã.

Cultura é algo que se aprende e que varia muito de sociedade para sociedade. Os seres humanos passam a aprender a respeito de sua cultura assim que nascem, pois, na maioria dos casos, seus pais os educam para que adotem os valores da sociedade.

Apesar das muitas diferenças entre culturas, todas são constituídas por dois elementos fundamentais: cultura material e cultura não material.

Cultura material engloba os objetos físicos de uma sociedade: as ferramentas, a tecnologia, as vestimentas, os meios de transporte, etc. Por exemplo, alguns símbolos da cultura material do Brasil são o telefone celular, o computador, o iPod, etc.

Um componente da cultura material que foi adotado por diversas sociedades é o uso de joias para indicar que uma pessoa é casada. Por exemplo, no Brasil e nos Estados Unidos, usa-se um anel no dedo anelar da mão esquerda. Em sociedades não industrializadas, constituídas por poucos habitantes, isso é desnecessário, pois quase todas as pessoas se conhecem e sabem quem é e quem não é casado. Em certas regiões da Índia, as mulheres usam um colar para indicar que são casadas.

Cultura não material compreende os aspectos intangíveis de uma cultura: os valores e crenças que influenciam seus membros e que os diferenciam dos indivíduos que constituem outras sociedades.

Os elementos culturais

Cultura é a língua, os símbolos, as normas, os valores, as crenças, os rituais e os artefatos que fazem parte de toda sociedade.

A língua é a forma de comunicação que permite que, por meio de palavras, informações sejam transmitidas a um indivíduo ou a um grupo de pessoas. A língua é transmitida de geração em geração. A maioria dos cientistas sociais acredita que a forma como uma sociedade utiliza a língua revela o que seus membros consideram importante. A comunicação não verbal – expressões faciais e movimentos corporais – também fazem parte da cultura.

Toda cultura é repleta de símbolos. Estes evocam, representam ou substituem algo abstrato ou ausente, e geralmente despertam reações e emoções entre as pessoas que os consideram significativos. Alguns objetos são símbolos importantes. Por exemplo, uma bandeira nacional simboliza um país e possui uma conotação patriótica. A maioria das religiões também possui símbolos. Apesar de serem apenas objetos, os símbolos possuem grande importância para seus seguidores. Por exemplo, queimar a bandeira de um país é considerado um grande desrespeito, apesar de se estar queimando apenas plástico ou tecido.   

As sociedades também possuem símbolos não verbais – gesticulações ou movimentos feitos com as mãos, os braços ou outras partes do corpo, que transmitem ideias e emoções. Uma certa gesticulação feita nos Estados Unidos significa “OK”, mas no Brasil, significa algo completamente diferente, sendo considerada obcena e ofensiva. 

As culturas também variam muito quanto às suas normas e formas de comportamento. Normas são princípios e preceitos: são as expectativas da sociedade – a forma como se espera que seus membros se comportem em dadas circunstâncias. Dependendo da cultura, as normas podem variar muito. Por exemplo, nos Estados Unidos, é um sinal de respeito olhar nos olhos de outra pessoa enquanto se conversa com ela. Já em muitos países asiáticos, o inverso é verdadeiro: não olhar diretamente para uma pessoa enquanto se fala com ela é considerado um sinal de educação e respeito.

As normas de uma sociedade mudam com o passar do tempo. No século passado, muitas sociedades mudaram suas visões sobre diversos assuntos de grande importância: por exemplo, os direitos das mulheres e das minorias. Um número maior de mulheres passou a adentrar o mercado de trabalho, o divórcio se tornou mais aceitável socialmente e membros de minorias passaram a sofrer menos discriminação.

Os valores de uma sociedade são os princípios ou os padrões aceitos: certo ou errado, bom ou ruim. Dependendo da sociedade, os valores podem variar muito. Por exemplo, no Brasil, muitas mulheres consideram que ser magra é sinônimo de beleza: a maioria das modelos profissionais é magra. Já em Gana, são consideras belas as mulheres robustas, não as magras.

É importante ressaltar que uma mesma cultura pode apresentar valores conflitantes. Isto é, os membros de uma sociedade podem não agir conforme seus próprios valores. Por exemplo, uma sociedade como um todo pode valorizar a caridade e a ajuda aos pobres, mas muitos de seus membros podem não estar dispostos a compartilhar parte de sua riqueza com os menos afortunados. Os sociólogos fazem distinção entre o que as pessoas fazem e o que elas dizem. A cultura real constitui os valores e normas que uma sociedade segue. Já a cultura ideal é um conjunto de comportamentos que a sociedade considera positivo, mas que não necessariamente é seguido por seus membros.

As crenças são as opiniões adotadas com fé e convicção e que são sustentadas pelos valores de uma sociedade. Por exemplo, a sociedade norte-americana crê no direito da livre expressão: no direito de uma pessoa falar o que quiser a respeito de seu país e do seu governo sem ter medo de sofrer represálias.

Rituais ou cerimônias culturais variam de sociedade para sociedade. Os rituais marcam as transições da vida: refletem e transmitem, de geração em geração, as normas de uma cultura. As cerimônias de formatura são um exemplo de tais rituais.

Em algumas sociedades, comemoram-se os períodos de transição da vida. Por exemplo, em algumas sociedades, comemora-se o primeiro ciclo menstrual da mulher.

Em muitas culturas, os homens têm suas próprias cerimônias de iniciação. Uma das mais famosas é a circuncisão. Nos Estados Unidos, por exemplo, a maioria dos bebês de sexo masculino é circuncidada poucos dias após o nascimento. Se o menino é judeu, é realizada, no oitavo dia de seu nascimento, uma cerimônia religiosa em que ele é circuncidado. Entre os Masai, uma tribo da África Oriental, a circuncisão serve como teste de bravura.

Os artefatos – objetos manufaturados –constituem outro importante elemento da cultura. Em sociedades mais simples, os artefatos são as ferramentas utilizadas para o trabalho, as cabanas construídas para habitação e as vestimentas típicas de seus habitantes.

Indígena no amazonas
Índio no amazonas

Sumário

- Cultura material e não material
- Os elementos culturais
- Hierarquia de Culturas
i. A cultura dominante
ii. Subcultura
iii. Contracultura
- Interações Culturais
i. Assimilação e multiculturismo
ii. Etnocentrismo
iii. Relativismo Cultural
iv. Choques Culturais
v. Cultura Global e Difusão Global
Assine login Questões a responder image Questões para o Enem image