Barroco - Características

Barroco - Características

A estética barroca expressa, através do rebuscamento da linguagem, a exuberância do século XVII, aliando os preceitos da Reforma Religiosa e do Renascimento à Contrarreforma feita pela Igreja Católica.

Panorama Histórico


Baco e Ariadne, Ticiano (1487 - 1576). Esse pintor é conhecido como um dos primeiros artistas a assinar suas obras.

Com a anexação de Portugal à Espanha (1580), depois que D. Sebastião desapareceu na batalha de Alcácer-Quibir (1578), Felipe II favoreceu a ação dos jesuítas em nome da Contra Reforma. Enquanto a Europa conhecia um período de desenvolvimento científico, com pesquisas e descobertas de Francis Bacon, Galileu Galilei, Kepler e Newton, a Península Ibérica tornou-se reduto da cultura medieval.

Os jesuítas, respaldados pela nobreza, torturavam "culpados", sem hesitar e impunham seus valores, violentando o espírito humanista (responsável pelo desenvolvimento comercial e cultural), instaurado em Portugal desde a Revolução de Avis. O homem ibero viu-se obrigado a aceitar como valor a divindade, devido à força das perseguições inquisitoriais.

Com o ensino monopolizado pelos jesuítas, havia um controle sobre a ideologia da Nação. O antropocentrismo permaneceu, mas retraiu-se, cedendo à contemplação e ao misticismo (retorno às ideias teocêntricas medievais).

Na Colônia, como parte de Portugal, a situação foi igualmente penosa. Os jesuítas guiavam as escolas e atuavam como agentes da dilatação do império português. A sociedade colonial estruturou-se na força dos latifúndios, o poder era exercido de maneira absoluta pelos proprietários de terras. A atividade agrícola de cana-de-açúcar na Bahia e em Pernambuco visava, através do monopólio comercial, somente aos interesses metropolitanos. Sendo assim, a Colônia dependia de Portugal econômica, cultural e ideologicamente. Há uma produção literária feita na colônia, mas como expressão de uma visão de mundo metropolitana.

Caracterização

O homem seiscentista vive um estado de tensão e desequilíbrio que acaba gerando uma produção literária eminentemente rebuscada. É o reflexo do dilema, do conflito entre o terreno e o celestial, o homem e Deus, o pecado e a salvação, o material e o espiritual, numa busca constante de aproximação de elementos díspares, através de figuras de linguagem, tais como:

  • Metáfora;
  • Antítese;
  • Hipérbole;
  • Prosopopeia;
  • Gradação;
  • Hipérbatos

Além disso, o jogo de palavras (= cultismo) e o jogo de ideias (= conceptismo), aparecem constantemente nos textos do Barroco.

  • Cultismo: Gongorismo
  • Conceptismo: Quevedismo

O dualismo barroco acaba levando o homem à ideia de que a vida é passageira, perecível, efêmera. A passagem do tempo torna-se uma característica desse período. A transitoriedade ou fugacidade da vida é constantemente explorada nas obras barrocas.

Padre Antônio Vieira (1608-1697)

Foi um dos maiores escritores da língua portuguesa e um dos maiores oradores da história europeia. Homem do púlpito e da ação política. Entrou para o noviciado da Companhia de Jesus, em 1623 e estreou no púlpito dez anos mais tarde, na Bahia, com o sermão Maria, Rosa Mística. Foi pregador régio, conselheiro de D. João IV, embaixador na França, Holanda e Roma. Perseguido pelo Santo Ofício, ainda assim, manteve suas convicções; dentre as quais, a defesa do índio, massacrado pelos colonos, o profetismo sebastianista e defesa do direito de os judeus viverem livremente.

Ao contrário de Gregório de Matos, que colhia a substância de seus temas na vida baiana, padre Vieira falava aos fiéis da Bahia como se estivesse falando com o mundo, mesmo que o assunto fosse de interesse local. Há nele uma sabedoria concreta, capaz de associar um fato trivial a uma interpretação grandiosa, ecumênica, humanística, sem aquela falsa justaposição dos oradores e pensadores menores do barroco, que faziam analogia e comparação sobre banalidades. Não se tratava de virtuosismo poético, mas de uma visão iluminada da história. Esse orador enxergava a história como ela se apresentava e a propunha de maneira adequada.

Entre os mais famosos sermões de Vieira, pode-se destacar: O Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda, em que o autor se apresenta diante de Deus, contrapondo a excelência da religião católica sobre as religiões modernas de fundo protestante. Seu ponto alto está na ironia com que vai discorrendo e, ao mesmo tempo, descrevendo a posição de Deus como árbitro da futura disputa entre portugueses e holandeses; o Sermão de Santo Antônio aos Peixes, em que satiriza os vícios dos colonos através de alegorias e comparações com os hábitos dos peixes; o Sermão da Sexagésima, em que ridiculariza e censura os exageros da escola gongórica (imitação exagerada e pouco criativa dos esquemas retóricos de Luís de Gôngora, poeta barroco espanhol).

OBRAS

Mais de duzentos sermões, entre os quais:

  • Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda (Bahia, 1640);
  • Sermão da Sexagésima (Lisboa, 1655);
  • Sermão de Santo Antônio aos Peixes (Maranhão, 1653);
  • Sermão da Primeira Dominga da Quaresma (Maranhão, 1653);
  • Sermão do Mandato (Lisboa, 1643);
  • Sermão do Rosário (Bahia, 1633);
  • Cartas (aproximadamente 500) e profecias:
  • História de Portugal;
  • Esperanças de Portugal;
  • Clavis Prophetarum.

Outros Autores Portugueses

I - Padre Manuel Bernardes (1644-1710): obra composta por prosa doutrinal e religiosa: A Nova Floresta

II- Francisco Rodrigues Lobo (1580?-1622)

a) Éclogas / O Pastor Peregrino Poesia

b) Prosa: Corte na Aldeia

III - Sóror Mariana Alcoforado (1640-1723): escreveu Cartas Portuguesas

IV - Antônio José da Silva (o Judeu): (1705-1739): teatrólogo, autor de Ópera dos Bonecos. Esopaída ou A Vida de Esopo, ópera, representada no Teatro do Bairro Alto de Lisboa, em abril de 1734. Guerras do Alecrim e da Manjerona (1737).

 V - Quanto à poesia, merecem destaque: O Postilhão de Apolo e A Fênix Renascida- coletâneas de poesias seiscentistas portuguesas.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Panorama Histórico
- Caracterização
- Padre Antônio Vieira (1608-1697)
- Outros Autores Portugueses
Assine login Questões a responder image Questões dissertativas image