Orações Coordenadas

ORAÇÕES COORDENADAS

Orações coordenadas são orações sintaticamente independentes, embora ligadas pelo sentido. As orações coordenadas são classificadas em dois tipos: orações coordenadas sindéticas e orações coordenadas assindéticas.

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS

As orações coordenadas que apresentam conjunção chamam-se sindéticas. As assindéticas não têm conjunção.

Exemplo:

José comeu

e dormiu.

Oração coordenada assindética

Oração coordenada sindética

As orações coordenadas assindéticas não recebem nenhuma outra classificação. As coordenadas sindéticas, que são introduzidas pelas conjunções coordenativas, subdividem-se em cinco tipos. São elas:

1. ADITIVAS:

Aparecem "somadas" no período. Exprimem ideia de adição, de continuidade com a oração anterior.

As principais conjunções aditivas são: e, nem, mas também, mas ainda.

Exemplos:

Estudo e trabalho diariamente. (conjunção aditiva "e")

Não se esforça nem luta por nada. (conjunção aditiva "nem")

Fala que fala, nada resolve. (conjunção aditiva "que" = "e")

Não só lê, mas também escreve. (conjunção aditiva "mas também")

2. ADVERSATIVAS:

Estabelecem uma relação de contraste, oposição.

As principais conjunções adversativas são: mas, porém, todavia, contudo, entretanto.

Exemplos:

A criança se deitou, mas não dormiu.

Sê simples, contudo, prudente.

Lia foi aprovada, todavia não é competente.

O livro foi um sucesso, entretanto, não traduz o pensamento da coletividade.

A conjunção "e", na maioria das vezes relaciona oração coordenada aditiva; mas pode relacionar uma coordenação adversativa.

Veja o exemplo:

Estudei e não fui aprovado (e = mas)

3. ALTERNATIVAS:

Podem relacionar fatos alternados ou indicar opção, escolha, alternativa, exclusão.

As principais conjunções alternativas são: ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, já...já, seja...seja.

Exemplos:

Ou o mundo está do avesso ou não mais consigo compreendê-lo.

Ora acusa a colega, ora tece-lhe calorosos elogios.

Já chega à esquina, já olha para os lados, já não sabe se prossegue.

4. CONCLUSIVAS:

Expressam um resultado a que se chega, a partir de um raciocínio ou ato.

As principais conjunções conclusivas são: logo, portanto, então.

Exemplos:

Pensei muito, logo, tenho base para discutir o problema.

Correu em demais, então, cansou-se.

5. EXPLICATIVAS:

Expressam ideias de motivo, explicação e justificação.

Exemplo:

Patrícia deve estar ocupada, porque não veio à praia hoje.

As principais conjunções explicativas são: pois, porque, que.

As orações explicativas, por usarem os mesmos conectivos que as adverbiais causais e até por uma certa semelhança de sentido, confundem-se com estas. Contudo, podem-se apresentar alguns critérios para reconhecê-las.

Se a oração for adverbial causal, há a possibilidade de reduzi-la (usar o verbo em forma nominal, eliminando a conjunção.) Tal processo não pode ocorrer com a coordenada explicativa.

Veja os exemplos:

a) Morreu, porque bebeu veneno. = Morreu por beber veneno. (causal)

b) Volte, porque vai chover muito. (explicativa)

Outro aspecto distinto da coordenação explicativa é a presença de verbo no imperativo, na oração antecedente, embora isto não seja, tomado de forma absoluta: há orações explicativas sem a presença de imperativo.