Solos - Tipos de solo

Solos - Tipos de solo

Chamamos de solo a superfície da crosta terrestre, permanentemente alterada pelo intemperismo e onde nasce e se desenvolve a vida vegetal. Todo solo é formado por sedimentos provenientes da desintegração das rochas, misturados com vários materiais orgânicos, frutos da decomposição de plantas e animais.

Os solos, quanto a origem, estão divididos em três tipos:

  • solos orgânicos
  • solos aluviais
  • solos eluviais

Os solos orgânicos são resultantes da sedimentação de material orgânico. As florestas e as planícies cobertas de vegetação rasteira são exemplos de solos orgânicos. Em ambos os casos, os elementos vegetais mortos sofreram decomposição, gerando o humo. Por essa razão, tais solos são conhecidos como humíferos. A Planície Polonesa, que se estende da Polônia até a Rússia, é um bom exemplo de solo orgânico, daí decorrendo sua impressionante fertilidade.

Os solos aluviais são criados por sedimentos transformados em lugares distantes e transportados pelas águas dos rios e pelos ventos. As áreas ribeirinhas são exemplos de solos aluviais.

Os solos eluviais são formados pela decomposição de um certo tipo de rocha e sempre aparecem em locais onde as rochas matrizes foram transformadas pela intemperização. A produção de café que, por um longo período, foi a causa responsável pela prosperidade de São Paulo, deu-se em terras roxas derivadas das alterações sofridas pelo basalto, rocha de origem magmática. Também o plantio da cana de açúcar, produto que marcou o inicio da colonização do Nordeste brasileiro, foi possível graças a um tipo de solo denominado massapé, fruto das transformações do calcário, este de origem sedimentar.

EROSÃO


Vale Normal
Fonte: "Estudando as Paisagens", Prof. Osvaldo Piffer.

 

A erosão é o fenômeno do desgaste do solo pela ação de inúmeros agentes, quer naturais, quer humanos. Os principais fatores de erosão são as correntes de água (erosão hídrica), principalmente quando escorrem em terrenos de muita declividade ("descida"), as geleiras e o vento (erosão eólica). As regiões onde a vegetação é pouca ou inexistente e as áreas vitimadas pelo desmatamento são as que mais rapidamente conhecem o processo de erosão, com graves consequências para o meio ambiente. A erosão, ao destruir o solo, abala o equilíbrio da natureza, prejudicando principalmente as atividades agrícolas. Estas, quando empregam métodos inadequados, também aceleram a erosão. No Brasil, ainda é usada a prática das queimadas, que destrói a matéria orgânica do solo. Por essa razão, elas devem ser evitadas, pois a defesa dos solos é uma tarefa prioritária para a sobrevivência humana no planeta Terra.