Interação gênica - Epistasia

Interação gênica

Embora as leis de Mendel da segregação e da transmissão independente tivessem sido confirmadas imediatamente após a sua redescoberta em 1900, não estava provado que estas leis tivessem aplicação universal na herança de todos os organismos. Na verdade, a herança mendeliana parecia ser a exceção e, no geral, a herança parecia ser do tipo mesclado, em que as heranças de ambos os parentais se misturavam nos descendentes. Inclusive, as proporções mendelianas típicas, tais como 3 : 1 ou 9 : 3 : 3 : 1, não se apresentavam em todos os cruzamentos.

Contudo, logo se percebeu que a maior parte das aparentes exceções podiam ser explicadas admitindo-se que muitos dos caracteres estavam sendo determinados por dois ou mais pares de genes, que para se expressarem interagiam entre si. Dependendo da forma de interação, as proporções fenotípicas se modificam de diferentes maneiras, porém as leis fundamentais da transmissão hereditária continuam sendo as mesmas.

Esquematicamente temos:

Herança Mendeliana clássica:

1 caráter -> 1 para de genes

Interação Gênica:

1 caráter -> 2 ou mais pares de genes

Definição

Na interação gênica, temos a participação conjunta de dois ou mais pares de genes na determinação de um fenótipo.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Interação gênica i. A crista em galinhas
ii. Genes complementares para a cor do milho
- Atavismo ou reversão
- Epistasia
i. Epistasia dominante
ii. Epistasia recessiva
- Pleiotropia
Assine login Questões a responder image Questões dissertativas image