Anexos embrionários

Anexos embrionários

Além de darem origem aos diferentes tecidos, órgãos e sistemas do organismo adulto, os três folhetos embrionários participam da formação dos anexos embrionários dos vertebrados: saco vitelino, alantoide, âmnion e córion:

Anexos embrionários - desenvolvimento!

Somatopleura (Ectoderme + Mesoderme): 

  • Cório (n) - respiração (trocas gasosas).
  • Âmnio (n) - proteção (traumatismos, desidratação).

Esplancnopleura (Endoderme + Mesoderme):

  • Saco vitelino - armazém de alimentos.
  • Alantoide - armazém de excretas; respiração.

Animais:

  • AMNIOTAS (Alantoidianos) = Répteis + Aves + Mamíferos.
               Apresentam "todos"  os  anexos!
  • ANAMNIOTAS (Analantoidianos)  =  Peixes  +  Anfíbios.
               "Somente"  o  saco vitelino!

O saco vitelino envolve o vitelo e garante a nutrição do embrião. O alantoide se forma a partir do tubo digestivo e tem a forma de uma vesícula; nos répteis e nas aves ele tem por função recolher excretas do embrião e permitir as trocas respiratórias através da casca. O âmnio, contendo água, envolve todo o embrião e oferece proteção contra traumatismo e ressecamento. O córion é a película mais externa e se justapõe à casca que envolve o ovo dos répteis e aves, exercendo função respiratória.

Nos embriões de mamíferos apresenta-se uma formação especial, a placenta, através da qual o embrião realiza, com a corrente circulatória da mãe, as trocas alimentares e gasosas, além da eliminação dos excretas. A placenta resulta de composição mista: endométrio uterino da mãe + cório e alantoide modificado (cordão umbilical = alanto-córion) do embrião.

A placenta apresenta projeções do córion (vilosidades coriônicas) que penetram na espessa camada do endométrio, o qual é ricamente vascularizado durante a gravidez. Os vasos sanguíneos do embrião se ramificam pelas vilosidades coriônicas e ficam muito próximos do sistema sanguíneo da mãe.