Aula Complementar 1: Carta argumentativa

Carta argumentativa

A Universidade de Campinas (UNICAMP) inovou em seus vestibulares, quando há alguns anos, incluiu a possibilidade de que o candidato opte pela feitura de uma carta argumentativa. Com isto, a Universidade levantou a questão de duas modalidades de textos dissertativos: o expositivo e o argumentativo. O primeiro tem a finalidade de apresentar os pontos de vista, sem entrar no mérito de avaliação ou de julgamento. Vale como exemplo uma aula em que o professor expõe, demonstra uma teoria, mas não se envolve em avaliar os méritos do assunto: apenas expõe, para conhecimento de outrem, que poderá julgar. Por outro lado, o argumento prioriza a discussão, a defesa de ponto de vista, a avaliação.

A carta, solicitada na UNICAMP, em princípio, é uma dissertação com a obrigação de argumentar, contrapor, discutir dentro dos parâmetros racionais o ponto de vista alheio.

Evidentemente não se deve entender que a carta argumentativa sempre sirva para rebater a opinião alheia: pode, também, corroborar tal opinião, acrescentando argumentos interessantes.

Com relação ao receptor, a carta se caracteriza por apresentar um receptor explícito, tem destinatário definido, certo, previsto e conhecido; ainda que seja plural. O destinatário da carta argumentativa pode ser identificado nominalmente ou por estar incluído num mesmo âmbito sociocultural. As professoras Marina Ferreira e Tânia Pellegrini, em seu livro Redação: palavra e arte, Atual Editora, 1999, trazem bons exemplos do que incluem como cartas argumentativas. Convém ler um trecho extraído dos exemplos:

"Eu sou o começo de uma nova era. Vocês não entendem que eu sou um sinal? Vocês nunca me olharam durante décadas. Me odiavam porque eu sou sujo, feio e pobre. Sempre me rasparam de suas consciências, como hoje querem me raspar pelas balas. Hoje eu sou o início de  vossa consciência social.

Eu era sujo e feio, mas era inofensivo; uns roubos, uns assaltos, mas tudo bem. Eu me lembro que os bandidos chegaram até a ser famosos; vocês até os romantizavam, como o "Mineirinho" ou o "Cara de Cavalo". Vocês nos pintaram de dourado, criaram o mito da "favela dos meus amores". [...]"

Que é que carateriza esse texto como carta? Carateriza-o como tal o fato de o emissor, sob a máscara de um favelado, ter um receptor explícito: a sociedade. O emissor argumenta com relação ao tratamento que a sociedade dispensa aos menos favorecidos. O texto tem valor dissertativo. É uma carta argumentativa.

Diferentemente do trecho acima, o fragmento seguinte explicita nominalmente o interlocutor. Trata-se de um modelo para o que a UNICAMP solicitou no Vestibular de 1991, Tema B:

São Paulo, 2 de novembro de 1990

Exmo. Sr. Deputado

Maurílio Ferreira Lima,             

Consciente de que a educação de nossa gente, por infelicidade, ainda necessita de muito reparo, dirijo-me ao nobre deputado, com a finalidade de discutir alguns pontos, sobre os quais tenho opinião divergente. [...]

Vistos os dois exemplos, fica claro que a carta argumentativa tanto pode ter um receptor difuso, como pode dirigir-se a um único interlocutor.

Quando se explicita nominalmente o interlocutor, há uma forma oficial de tratamento (veja quadro abaixo). Por outro lado, a dissertação, pura e simples, ou a carta argumentativa com receptor difuso destinam-se a "quem interessar possa", isto é, a um destinatário plural, indefinido, ainda que reúna características previsíveis relativamente ao tema, à linguagem, ao meio social e intelectual etc. Não há dúvida de que uma dissertação que aborde questões relativas à Economia, há de interessar aos receptores ligados a tal área, assim como temas da Medicina interessarão aos profissionais da Saúde.

O professor Celso Cunha informa sobre o emprego dos pronomes de tratamento - formas oficiais de alusão ao receptor. Convém conhecer as seguintes formas de tratamento reverente e as abreviaturas com que são indicadas na escrita:

ABREV. 

TRATAMENTO

USADO PARA

V.A.

Vossa Alteza

Príncipes, arquiduques, duques

V. Em. ª 

Vossa Eminência

Cardeais

V. Ex.  ª 

Vossa Excelência

Altas autoridades civis e militares

V. Mag. ª 

Vossa Magnificência

Reitores de Universidade

V. M.

Vossa Majestade

Reis e imperadores

V. Ex.ª  

Vossa Excelência

 

 

Reverendíssima

Bispos e Arcebispos

V. P.

Vossa Paternidade

Abades, superiores de convento

 

Vossa Reverendíssima

Padres e pastores

V.S.

Vossa Santidade

Papa

V.S.ª  

Vossa Senhoria

Cidadãos em geral

O Educabras prepara você para o Vestibular e o Enem. Entre na faculdade de sua escolha e siga a carreira de seus sonhos!
Conteúdo e recursos para otimizar seu tempo de estudo e maximizar sua nota no Vestibular e no Enem.

Mais informaçõesimage
image

Agilize e facilite seu trabalho!
- Conteúdo didático para elaborar aulas e usar em classe.
- Banco de dados com milhares de questões por matéria.
- Elabore provas em alguns minutos! Opção de imprimir ou baixar provas e salvá-las em seu cadastro para usá-las no futuro.

Mais informaçõesimage
image

ESTUDO PERSONALIZADO

Programa de Estudo Personalizado com foco nos vestibulares que você prestará:
- Otimize o tempo de estudo: concentre-se nos assuntos relevantes para os vestibulares de sua escolha.
- Opção de incluir o Enem em seu Programa de Estudo Personalizado.
- Conteúdo e Ferramentas: Aulas, resumos, simulados e provas de Vestibulares e do Enem.
* Confira se os vestibulares de sua escolha fazem parte do Programa de Estudo Personalizado

Mais informaçõesimage

Colégios

O Educabras ajuda o colégio a melhorar o desempenho acadêmico dos alunos no Enem e no Vestibular e aumentar o índice de aprovação nas mais conceituadas faculdades do Brasil.
Pacotes de assinaturas: contrate assinaturas a um valor menor para seus professores e alunos.

Mais informaçõesimage