No grupo 2 estão os seguintes cursos: Artes Cênicas; Ciências Sociais; Comunicação Social – Cinema, Comunicação Social – Jornalismo, Comunicação Social – Publicidade e Propaganda; Design – Comunicação Visual; Design – Mídia Digital; Design – Moda; Design – Projeto de Produto; Direito; Filosofia; Geografia; História; Letras; Pedagogia; Psicologia; Relações Internacionais; Serviço Social e Teologia.

REDAÇÃO

Produza um texto dissertativo-argumentativo — com cerca de 25 linhas e título sugestivo —, em que você mostre como uma ou mais mulheres (sugerimos entre uma e cinco) conhecidas — cientistas, artistas, empresárias, ativistas, líderes comunitárias, personalidades históricas ou mesmo personagens da mitologia ou da ficção, além de heroínas (reais ou imaginárias), entre outras — afetaram ou afetam a sociedade (e por quê).

Abaixo, apenas para ajudá-lo a pensar no desenvolvimento de sua redação, reproduzimos fragmentos de dois artigos acerca de figuras de nosso universo de referências.

Carolina Maria de Jesus

A história de Carolina Maria de Jesus é uma história de lutas que lembra a de muitas mulheres na favela. Filha de mãe solteira, negra e pobre, trabalhou na roça em Sacramento, cidade onde nasceu, no interior de Minas Gerais. A vida difícil obrigou mãe e filha a migrarem para cidades maiores até que Carolina chegou a São Paulo. Ali, começou trabalhando como doméstica, mas ficou grávida de seu primeiro filho. Como, na época, não havia direitos trabalhistas, ficou desempregada e não viu alternativa senão ir morar na favela e ganhar a vida como catadora de papel. Teve ainda mais dois filhos — todos de pais diferentes —, e acabou tendo que ser mãe e pai do José, do João e da Vera Eunice. Viveu 12 anos na favela do Canindé, que ela chamava de “o quarto de despejo da cidade de São Paulo”: tudo quanto a sociedade paulistana queria jogar no lixo — roupas usadas e móveis velhos, assim como pessoas pobres, negras, nordestinas que ali viviam marginalizadas e em precárias condições — ia parar lá. Carolina, que havia cursado apenas dois anos de ensino básico quando ainda criança, tinha o hábito de ler. Lia tudo o que encontrava no lixo e separava alguns papéis em que poderia registrar sua história. Foi assim que começou a escrever “Quarto de Despejo: diário de uma favelada”, livro publicado em 1960. Isso ocorreu porque Carolina mostrou seus escritos ao jornalista Audálio Dantas, em 1958, quando ele fazia uma visita à favela do Canindé para escrever uma matéria de jornal. Durante dois anos, o jornalista trabalhou para conseguir a publicação do livro de Carolina. “Quarto de Despejo” foi um sucesso na medida em que constituiu uma denúncia que os governantes e a elite — não só a paulistana, mas a brasileira — não podiam ignorar: a vida miserável daquelas mulheres batalhadoras e “invisíveis”. A prefeitura extinguiu a favela do Canindé. Carolina ficou rica com a venda de seus livros, mas, sem jeito para administrar seus bens, perdeu quase tudo e morreu em 1977, aos 63 anos, pobre, num pequeno sítio do interior de São Paulo. Canindé não existe mais, nem Carolina, mas muitas são as favelas no Brasil e muitas são as mulheres pobres, sem pai, mães solteiras, que batalham, lutam diariamente pelo direito à vida e pelo direito à história, que Carolina de Jesus ajudou a contar.

Texto adaptado do jornal “O Cidadão” (06/03/2014). Disponível em: <http://jornalocidadao.net/centenario-de-carolina-maria-de-jesus>. Acesso em: 14 ago. 2017.

Mulher Maravilha

Criada por William Moulton Marston, em 1941, no meio da Segunda Guerra Mundial, a primeira super-heroína norte-americana, reaparece, em 2017, em grande produção cinematográfica. O filme narra a trajetória de Diana — filha do deus grego Zeus com uma amazona — e seu percurso até tornar-se a Mulher Maravilha, atualização da deusa romana Diana Caçadora, que, entre os gregos, era chamada de Ártemis.

Para proteger sua filha, Zeus criou uma ilha paradisíaca, escondida por uma neblina, onde a menina cresceu com as demais amazonas, a salvo da ira do deus Ares, que invejava as guerreiras e queria destruir a humanidade. A deusa, criada por uma mãe superprotetora, que lhe negava informações importantes sobre o mundo além da ilha e sobre ela mesma, acreditava na possibilidade da paz, caso Ares fosse eliminado. A queda de um avião, com o piloto e espião americano Steve Trevor a bordo, quebra a invisibilidade da ilha. Ao resgatar o jovem, Diana fica sabendo que há uma guerra em curso, longe de seu lar, e sente um chamado para cumprir o que considerava sua missão: derrotar Ares.

A saída da ilha, tão temida pela mãe da moça, que escondia dela a identidade do pai e sua condição de deusa, é a metáfora para a iniciação da heroína. Frente à advertência da mãe de que, se ela partisse, poderia nunca mais voltar, Diana reage com a frase psicanalítica: “Quem serei eu se ficar? ”

Diana segue seu caminho, deixando a ingênua e protegida deusa-menina para trás, a fim de encontrar, em meio aos horrores de uma guerra, a valente mulher que irá se tornar. [...] Além da força, das habilidades no manejo da espada e no desempenho da luta, sobressai, em Diana, a compaixão. Ao chegar a uma Europa devastada, sente-se arrasada com a miséria humana. A crença na paz e num mundo só de luz a ser alcançado pela derrota de Ares será a ilusão que deverá abandonar para poder se tornar a Mulher Maravilha.

É um filme sobre a jornada do Eu, mas é claro que o fato de esse sujeito ser uma mulher faz toda a diferença. Ela desperta a admiração dos meninos, não apenas pela beleza, mas pela garra, pela força, pela lealdade. A personagem mostra que não há limites para as mulheres e que isso não deve ser motivo de temor e, sim, de admiração. [...]

Em tempo de guerra como o nosso, a Mulher Maravilha nos obriga a enfrentar o Ares que habita em cada um de nós, pois, diferentemente do que pensamos, “o inferno não são os outros”. E essa foi a desilusão de Diana: a culpa não era de um único deus (seu irmão) e, sim, da humanidade. Mata-se um Ares hoje; nasce outro amanhã. Tomada por essa desilusão — entretanto movida por compaixão e por amor (como uma força divina) —, resolve ficar e lutar diariamente, assumindo que a humanidade ainda vale a pena. E dessa desilusão, e dessa decisão, nasce uma heroína.

Texto adaptado de artigo de Adriana Maria de Abreu Barbosa. In: “Revista Cotoxó”, ano VII, número LXXII, Jequié (Bahia), julho de 2017, p. 10.

PUC-RIO 2018 - Grupo II

Matérias: Selecione as matérias que você deseja fazer na prova.

Biologia
Física
Geografia
História
Matemática
Português
Química

Língua estrangeira:-

Espanhol
Inglês

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA

Tabela Periódica

REDAÇÃO

O sistema de provas do Educabras:

  • Identifica os assuntos que você mais precisa estudar!

  • Permite que você pause a prova e retorne a ela mais tarde

  • Cronometra a prova

  • Armazena as provas para você avaliar seu progresso.

Otimize seu desempenho no Vestibular !

  • Programa de estudos direcionado para o Vestibular .

  • Sistema inteligente que revela os assuntos mais testados pelo Vestibular

  • Aulas, resumos, simulados e provas anteriores do Vestibular

  • Você pode incluir o Enem ou 2 outros Vestibulares em seu Programa.

Assine o Educabrasimage

O Educabras prepara você para o Vestibular e o Enem. Entre na faculdade de sua escolha e siga a carreira de seus sonhos!
Conteúdo e recursos para otimizar seu tempo de estudo e maximizar sua nota no Vestibular e no Enem.

Mais informaçõesimage
image

Agilize e facilite seu trabalho!
- Conteúdo didático para elaborar aulas e usar em classe.
- Banco de dados com milhares de questões por matéria.
- Elabore provas em alguns minutos! Opção de imprimir ou baixar provas e salvá-las em seu cadastro para usá-las no futuro.

Mais informaçõesimage
image

ESTUDO PERSONALIZADO

Programa de Estudo Personalizado com foco nos vestibulares que você prestará:
- Otimize o tempo de estudo: concentre-se nos assuntos relevantes para os vestibulares de sua escolha.
- Opção de incluir o Enem em seu Programa de Estudo Personalizado.
- Conteúdo e Ferramentas: Aulas, resumos, simulados e provas de Vestibulares e do Enem.
* Confira se os vestibulares de sua escolha fazem parte do Programa de Estudo Personalizado

Mais informaçõesimage

Colégios

O Educabras ajuda o colégio a melhorar o desempenho acadêmico dos alunos no Enem e no Vestibular e aumentar o índice de aprovação nas mais conceituadas faculdades do Brasil.
Pacotes de assinaturas: contrate assinaturas a um valor menor para seus professores e alunos.

Mais informaçõesimage