Tigres Asiáticos

TIGRES ASIÁTICOS

O termo Tigres Asiáticos, cunhado em 1980, se refere às economias desenvolvidas de Hong Kong, Coreia do Sul, Singapura e Taiwan. Esses quatro Tigres Asiáticos – países ou territórios localizados no sudeste da Ásia – apresentaram grandes taxas de crescimento e rápida industrialização entre as décadas de 1960 e 1990.

O Japão, recuperando-se da terrível derrota sofrida na Segunda Guerra Mundial, desenvolveu seu próprio modelo de capitalismo: a produção de bens a preços baixos e destinados à exportação. Também implementou uma bem planejada e bem sucedida reforma agrária gerando um aumento rápido na renda dos fazendeiros, resultando na criação de um mercado local para novas fábricas. O crescimento imenso e ininterrupto da economia japonesa após a Segunda Grande Guerra resultou na criação de um dinâmico mercado em toda a área do Pacífico. Além de estimular o crescimento de países vizinhos, o Japão serviu de modelo, como é o caso da Coreia do Sul, um dos países mais pobres na década de 1960, que se transformou numa nação semi-industrializada, tendo crescimento econômico surpreendente.

Japão e Coreia do Sul não foram as únicas histórias de sucesso econômico na Ásia durante as décadas 1970 e 1980. Taiwan, Hong Kong e Cingapura também participaram ativamente do comércio mundial. Juntamente com a Coreia do Sul, essas nações compartilharam o título de "quatro pequenos tigres asiáticos" (sendo o Japão o Grande Tigre Asiático) devido a sua agressiva busca por mercados estrangeiros e em virtude de seu grande crescimento econômico e industrial. Esses países tinham poucos recursos naturais, mas isso era compensado com trabalho duro e baixos salários. Taiwan, Hong Kong e Cingapura também deviam sua prosperidade às políticas governamentais que incentivavam a iniciativa privada. Grandes exportações vindas dos "pequenos tigres asiáticos" incluíam tecidos, roupas, sapatos, brinquedos, pequenos utensílios e equipamentos eletrônicos.

No final da década de 1990, as exportações chegavam a mais de 200% do PNB (produto nacional bruto) em Cingapura e a mais de 100% em Hong Kong. O índice de crescimento era alto nos Tigres Asiáticos, apesar da crise econômica asiática. Não é de se surpreender que a população desses países tinha um alto nível de alfabetização. O investimento em educação, tecnologia e transportes e a adoção de economias de mercado permitiram que as economias dos Tigres Asiáticos se desenvolvessem de forma marcante: Hong Kong elevou sua renda per capita em cinco vezes mais que a da China continental.

Com o passar do tempo, o termo Tigre tornou-se sinônimo de uma nação que alcançou o crescimento ao implementar um modelo econômico baseado na exportação. Recentemente, nações do Sudeste asiático, como Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia também passaram a ser consideradas Tigres.

FATORES DO DESENVOLVIMENTO

Os Tigres Asiáticos se desenvolveram de forma tão rápida e marcante porque consideravam a educação como um meio necessário para aumentar a produtividade. Esses países melhoraram o sistema educacional em todos os níveis - Ensino Fundamental, Ensino Médio e Ensino Universitário.

Além da reforma educacional, os Tigres, países relativamente pobres durante a década de 1960, tinham mão de obra abundante e barata. Foi criado nesses países uma força de trabalho bem preparada, produtiva e de baixo custo. Além disso, implantou-se uma reforma agrária justa com políticas de subsídio à agricultura.

Outros fatores que explicam o desenvolvimento industrial dos Tigres Asiáticos foram:

  • Incentivos fiscais.
  • Leis ambientais menos rígidas.
  • Determinação governamental de promover a industrialização.
  • Ajuda maciça dos EUA, principalmente para Taiwan e Coreia do Sul.
  • Providências no sentido de maior distribuição de renda, aumentando desta maneira o mercado consumidor. Intensa militarização no trabalho, o que impõe uma rígida disciplina com vistas ao aumento de produtividade.

A POLÍTICA DOS TIGRES ASIÁTICOS

TAIWAN (REPÚBLICA DA CHINA)

Chamada também de Formosa ou Taipé Chinês, Taiwan é reivindicado pela República Popular da China, que a considera uma província rebelde. Com a Revolução Socialista na China, o governo nacionalista de Chiang Kai-Shek transferiu-se para a ilha de Formosa e fundou a República da China, mais conhecida como Taiwan. Foi governada por ditadores do partido Kuomintang de 1949 a 1991. Até 1987, Taiwan permaneceu sob Lei Marcial. Em 1991, o presidente Chiang Ching-kuo passou a democratizar o sistema político da província. Após seu falecimento, foi sucedido pelo vice-presidente, Lee Teng-hui, que promoveu grandes avanços na democracia. Em 2000 e em 2004 foi eleito Chen Shui-bian do Partido Democrático Progressista.

CINGAPURA

A Constituição da República da Cingapura estabelece que o sistema político do país é uma democracia representativa. O país é reconhecido pelas Nações Unidas como sendo uma república parlamentarista.

Cingapura foi uma colônia britânica a partir de 1959, quando obteve autonomia. Desde então, foi governada por um único partido - o Partido da Ação do Povo (PAP). Lee Kuan Yu foi primeiro-ministro de 1959 a 1990. Seu governo reduziu o desemprego e aumentou a qualidade de vida no país. A infra estrutura econômica foi também bastante desenvolvida. Cingagura é hoje é um dos países mais prósperos e seguros do mundo.

Em 1990, Goh Chok Tong tornou-se primeiro-ministro. Durante seu governo, o governo enfrentou a crise financeira que atingiu a Ásia, em 2003. Em 2004, Lee Hsien Loong, o filho primogênito de Lee Kuan Yu tornou-se o terceiro primeiro-ministro do país.

COREIA DO SUL

A Coreia do Sul é uma república semipresidencialista. O presidente é eleito por voto direto popular para um único mandato de cinco anos. É o presidente que nomeia o primeiro-ministro. Este deve ser aprovado pelo parlamento. Uma vez aprovado, o primeiro-ministro nomeia e preside o Conselho de Estado, ou seja, o governo.

O parlamento coreano, unicameral, é chamado Gukhoe (Assembleia Nacional). O mandato de seus membros é de quatro anos. O Supremo Tribunal do país é nomeado pelo presidente com a aprovação do parlamento.

Em 12 de março de 2004, o parlamento sul-coreano destituiu o presidente Roh Moo-hyun. O presidente, um advogado de direitos humanos, foi acusado de fraude eleitoral e incompetência. O primeiro-ministro Goh Kun assumiu o poder até que o Tribunal Constituição tomasse uma decisão final sobre a destituição do presidente.

HONG KONG

Possuindo uma das economias mais liberais do mundo, Hong Kong é um grande centro internacional de finanças e comércio. Antiga colônia britânica, Hong Kong é hoje administrada pela República Popular da China, mas desfruta do estatuto de Região Administrativa Especial, de acordo com a fórmula "um país, dois sistemas". Apesar de hoje fazer parte da China socialista, Hong Kong possui um alto nível de autonomia, com seu próprio sistema legal, moeda, alfândega e direitos de negociação de tratados. Apenas a defesa nacional e relações diplomáticas são de responsabilidade do governo chinês. Hong Kong nem mesmo paga impostos ao governo chinês, e o modo de vida da população, incluindo a liberdade de imprensa, foi muito pouco alterado.

Foi em 1982 que a China e o Reino Unido iniciaram conversações sobre a devolução de Hong Kong à primeira. Um acordo assinado em 1984, na capital chinesa, determinou que a China adquiriria o território a partir de 1 de julho de 1997. Isto de fato ocorreu: após 156 anos de administração colonial britânica, Hong Kong voltou a pertencer à China.

Hong Kong é um dos territórios mais ricos da Ásia. Faz parte do tratado internacional chamado APEC (Asia-Pacific Economic Cooperation), bloco econômico que objetiva transformar o Pacífico numa área de livre comércio e que engloba economias asiáticas, americanas e da Oceania. Junto com Cingapura, Coreia do Sul e Taiwan, a rápida industrialização de Hong Kong fez com que a região ganhasse seu lugar como um dos quatro originais Tigres asiáticos.

Apesar de Hong Kong ter passado para o controle chinês, o nome em inglês da região permanece o mesmo.

Leitura Complementar: As Duas Coreias

O Japão havia anexado o país da Coreia em 1911. Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, a Coreia foi dividida no Paralelo 38º de latitude em zonas de ocupação soviética e norte-americana. Com o apoio soviético, os comunistas fixaram um governo na Coreia do Norte, enquanto os Estados Unidos apoiavam a formação de um governo não comunista na Coreia do Sul. Ambos governos da Coreia do Sul e da Coreia do Norte reivindicavam o direito de governar sobre toda a península.

Em junho de 1950, a Coreia do Norte realizou um ataque surpresa contra a Coreia do Sul, esperando unir toda a Coreia sob o domínio comunista. Os Estados Unidos enviaram tropas para apoiar o Sul, e a Guerra Coreana foi iniciada. Em novembro, soldados das Nações Unidas combateram as forças comunistas e adentraram território norte-coreano.

Quando os coreanos comunistas, que recuavam frente ao ataque das Nações Unidas, alcançaram o território da China, aproximadamente 200 mil soldados chineses adentraram a Coreia do Norte, tomando as forças das Nações Unidas de surpresa. Com a ajuda chinesa, os norte-coreanos expulsaram as tropas da ONU de volta ao Paralelo 38º. A luta continuou até que um armistício foi declarado em 1953.

Após a guerra, as duas Coreias estabeleceram governos e políticas bastante diferentes. A Coreia do Norte tornou-se um estado totalitarista sob o modelo stalinista. As indústrias foram nacionalizadas e as fazendas foram coletivizadas. O governo da Coreia do Norte - autocrático e ditatorial - esmagou qualquer oposição.

A Coreia do Sul, por outro lado, era oficialmente uma democracia, apesar de direitos básicos de seus cidadãos serem frequentemente negados. Os líderes do país silenciaram seus adversários políticos, argumentando que a união nacional era fundamental para evitar um novo ataque da Coreia do Norte. Contudo, em 1987, um protesto em massa obrigou o governo a revisar a Constituição e realizar novas eleições.

O governo sul-coreano apoiou fortemente a indústria no país que teve um sucesso marcante. À medida que as exportações para o país cresciam, o produto interno bruto da Coreia do Sul tornou-se quatro vezes maior do que aquele da Coreia do Norte.

Leitura Complementar: TAIWAN

Em 1894, após humilhante derrota militar, a China perde a Coreia e o Japão ocupa a Ilha de Taiwan (Formosa).

Ao fim da guerra contra o Japão, um conflito armado irrompeu entre as tropas de Mao e os nacionalistas chineses. Em 1949, a Revolução Chinesa foi encerrada com os comunistas emergindo vitoriosos e tomando controle da China. Chiang Kaishek e seus seguidores fugiram para a ilha de Taiwan, onde estabeleceram o que afirmavam ser o legítimo governo da China. Em 1 de outubro de 1949, Mao Zedong proclamou o nascimento da República Popular da China.

No dia 1º de outubro de 1959, Mao Zedong entrava em Beijing, fundando a República Popular da China. Para fugir à total derrota, o governo nacionalista instalou-se em Taiwan (Formosa), recriando a República da China, com capital em Taipé.

Outra fonte de conflito entre China e o Ocidente era Taiwan. Os Estados Unidos e as Nações Unidas reconheceram o governo de Chiang Kaishek em Taiwan como sendo o único legitimo governo da China. No início da década de 1950, os Estados Unidos assinaram um tratado de mútua defesa com Chiang Kaishek e deram a Taiwan apoio militar e econômico.

Em 1971, o Presidente norte-americano, Richard M. Nixon aceitou um convite para visitar a China no ano seguinte. Com essa mudança na política norte-americana em relação aos chineses, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou em novembro de 1971 para que a República Popular da China, e não mais Taiwan, fosse o representante oficial da nação chinesa. Em 1979, a China comunista e os Estados Unidos formalmente estabeleceram relações diplomáticas.

Sumário

- Fatores do Desenvolvimento
- A Política dos Tigres Asiáticos
i. Taiwan (República da China)
ii. Cingapura
iii. Coreia do Sul
Hong Kong
- Leitura Complementar: As Duas Coreias
- Leitura Complementar: Taiwan
Assine login Questões de Revisão image