América do Norte - Aspectos Físicos dos EUA e do Canadá

América do Norte - Aspectos Físicos dos EUA e do Canadá/p>

A América anglo-saxônica é formada pelos Estados Unidos e Canadá. A denominação "anglo-saxônica" decorre do fato da região ter sido basicamente colonizada pelos ingleses, povo originariamente formado por celtas, jutos escandinavos e saxões germânicos. A colonização da América inglesa foi bastante diferente da América Latina. Enquanto nós fomos vítimas de um sistema colonial mercantilista, que visava a exploração econômica, os Estados Unidos e o Canadá foram exemplos de colônias de povoamento.

A COLONIZAÇÃO DE POVOAMENTO

Povoamento inicial foi feito por imigrantes, normalmente calvinistas, que fugiam de perseguições religiosas ou crises econômicas. Seu objetivo era a fixação na terra e não simplesmente explorá-la a serviço dos interesses europeus. Esses imigrantes, que buscavam esquecer os sofrimentos que tinham passado na Europa, logo adquiriram um senso de nacionalidade: o "americanismo precoce". Para eles, a expressão "Novo Mundo" tinha pleno sentido.

Produção econômica voltada, simultaneamente, para os mercados nacional e internacional, não sendo submetida às restrições do "Pacto Colonial": o comércio era livre.

A mão de obra era a família, que cultivava pequenas e médias propriedades.

Precoce produção artesanal e industrial doméstica, objetivando tornar as colônias independentes em relação - bens manufaturados vindos da metrópole.

Influenciados pelo liberalismo europeu do século XVIII, os colonos rapidamente romperam com a metrópole britânica, dando origem a países, principalmente os Estados Unidos da América, política e institucionalmente progressistas e avançados.

 

O RELEVO DA AMÉRICA ANGLO-SAXÔNICA

Os Estados Unidos e o Canadá apresentam as seguintes características geomórficas:

ESCUDOS ANTIGOS - formados por rochas velhas, quase sempre magmáticas e metamórficas, que sofreram forte erosão, apresentando baixas altitudes (exemplo - Planalto do Labrador).

PLANÍCIES SEDIMENTARES - na parte central do continente norte-americano.

DOBRAMENTOS RECENTES - típicos da região oeste e de formação recente ("era Terciária"), apresentando grandes altitudes e vulcanismo ativo (exemplo - as Montanhas Rochosas).

Em função dessa estrutura geológica é que o relevo se organiza. Na porção leste da América do Norte, desde o Alasca até o México, destacam-se as Montanhas Rochosas, com extensão de 5.000 km. Também no lado ocidental, próximo ao Oceano Pacífico, encontramos a Cadeia do Alasca, onde se localiza o ponto culminante do relevo norte americano: Monte McKinley (6.100 m de altitude). Aí também aparecem a Serra Nevada, a Cadeia das Cascatas, a Cadeia da Costa e a Cadeia Santa Elias. Na parte central e sul do continente, estão localizadas as Planícies Centrais ou Pradarias, de origem sedimentar.

As Montanhas Rochosas, a medida que se dirigem para o sul, inclinam-se para o interior do continente, formando o Planalto da Grande Bacia. Aí, estão situados o Grande Lado Salgado e o Vale da Morte (85 metros abaixo do nível do mar). Completando essa paisagem, destacam-se o Planalto do Colorado (famoso pelo Grand Canyon, um enorme vale em garganta) e o Planalto da Colúmbia, que se alonga do norte dos EUA até o território canadense.

No lado oriental, há montanhas antigas, castigadas pela erosão, destacando-se os Montes Apalaches ou Alleghanis, separados do Oceano Atlânticopelas Planícies Costeiras. Entre noroeste e oeste do Canadá aparece o Escudo Canadense, que forma um arco com as extremidades voltadas para o mar.

HIDROGRAFIA

A hidrografia dos Estados Unidos apresenta três vertentes:

VERTENTES HIDROGRÁFICAS

VERTENTE OCIDENTAL OU VERTENTE DO PACÍFICO - rios que correm para o Oceano Pacífico e, graças ao relevo acidentado da região, apresentam grande potencial hidrelétrico, favorecendo a indústria.

VERTENTE DO GOLFO DO MÉXICO - rios de planície, portanto largos, lentos e ideais para a navegação (exemplo - rio Mississippi).

VERTENTE ORIENTAL OU ATLÂNTICA - rios que se dirigem para o Oceano Atlântico.

Se observarmos o mapa físico da América anglo-saxônica, no sentido norte-sul, a primeira coisa que chama nossa atenção é um conjunto lacustre: os Grandes Lagos, formado pelos lagos Superior, Michigan, Huron, Erie e Ontário. Todos eles são interligados e entram em contato com o Oceano Atlântico através do rio São Lourenço, sendo amplamente navegáveis, o que contribui para o escoamento dos produtos industrializados dos Estados Unidos e do Canadá.

Nesse país, também é muito comum a presença de lagos formados por glaciação, isto é, águas provenientes do derretimento de neves que se alojam em rebaixamentos do relevo. Os principais lagos causados por esse fenômeno são: Manitoba, Winnipeg, Grande Lago do Urso e o Atabasca.

Na parte centro-sul do continente, localiza-se a maior bacia fluvial da América do Norte: a do  Mississippi, que nasce no Lago Superior e tem sua foz no Golfo do México. Seus principais afluentes são os rios Missouri, Ohio e Arkansas. Finalmente, na extremidade sul dos Estados Unidos, corre o rio Grande ou Bravo del Norte, que é o marco fronteiriço com o México.

CLIMA DA AMÉRICA ANGLO-SAXÔNICA

A ampla diversidade dos climas da América do Norte é explicada por inúmeros fatores:

POSIÇÃO GEOGRÁFICA - latitudes maiores significam menores temperaturas; assim, em direção ao norte, a região fica cada vez mais fria. As latitudes, na América anglo-saxônica variam de 25 graus N (sul dos Estados Unidos) - 80 graus N.

RELEVO - influência fundamental sobre o clima da América do Norte, pois: forma um "corredor natural" no centro do continente, responsável pela canalização das massas de ar, ocasionando grande amplitude térmica (enormes diferenças entre o frio e o calor); o relevo determina, nos Estados Unidos, a formação de desertos nos planaltos de Colúmbia e do Colorado, já que as barreiras montanhosas impedem que os ventos úmidos atinjam os vales; além disso, o relevo diminui as temperaturas, no lado ocidental, em razão das grandes altitudes (cadeias da Costa e as Montanhas Rochosas).

CORRENTES MARÍTIMAS - no litoral noroeste dos Estados Unidos e a Oeste do Canadá, ocorrem chuvas intensas provocadas pela Corrente Pacífico Norte; na Flórida, sul dos Estados Unidos, a corrente do Golfo também aumenta o índice de pluviosidade. A costa leste é atingida pela corrente fria do Labrador, que congela o litoral até a altura de Nova Iorque. Já na porção oeste, a corrente fria da Califórnia torna semiárido todo o litoral ao redor da cidade de São Francisco.

MASSAS DE AR - duas massas de ar atingem a América anglo-saxônica. A primeira, chamada de massa Polar, atravessa as Planícies Centrais do Canadá, atingindo, por vezes, o Golfo do México. No Canadá, essa massa de ar gera temperaturas de aproximadamente -25 graus Celsius; mais ao sul, a massa Polar se manifesta sob a forma de geadas e frentes frias. No verão, período no qual a massa Polar deixa de atuar, avança para o norte a massa Tropical, elevando as temperaturas e provocando chuvas intensas no sul e sudeste dos Estados Unidos.

VEGETAÇÃO DA AMÉRICA ANGLO-SAXÔNICA

Como não poderia deixar de ser, as grandes variações de climas e relevo da América do Norte geram uma vegetação também muito diversificada.

FLORESTA BOREAU - situada ao sul do Círculo Polar Ártico (Canadá e Alasca). Trata-se de uma floresta de coníferas (pinheiros, carvalhos, faias, etc.). Grande é sua importância econômica, fazendo do Canadá um dos maiores produtores mundiais de papel e madeira.

TUNDRA - constituída por musgos e líquens e localizada ao norte do Canadá.

FLORESTAS TEMPERADAS OU DE MONTANHAS - características, no leste, do planalto do Labrador e Apalaches, e, a oeste das Montanhas Rochosas e cadeias da Costa.

PRADARIAS - gramíneas e herbáceas que ocupam as Planícies Centrais.

FLORESTAS LATIFOLIADAS - presentes na Flórida, consistindo de uma formação arbórea bastante densa. Típicas da península da Flórida e do Golfo do México, nas áreas mais baixas transformam-se em mangues e pântanos.

ESTEPES - presentes nas regiões áridas e semiáridas do oeste americano, sendo compostas por arbustos de pequena altura e gramíneas ressecadas.

VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA - encontrada no litoral  da Califórnia, é uma vegetação típica de climas semiáridos temperados com pouca precipitação pluviométrica no inverno.

Sumário

- O Relevo da América Anglo-Saxônica
- Hidrografia
- Clima da América Anglo-Saxônica
- Vegetação da América Anglo-Saxônica
Assine login Questões a responder image