Conflito na Irlanda

Conflito na Irlanda

COMPOSIÇÃO ÉTNICA - irlandeses (87,4%) e uma minoria inglesa.

RELIGIÕES - catolicismo (87,4%) e protestantismo (2,9%).

Há duas Irlandas: a República Irlanda (Eire)  e a Irlanda do Norte (Ulster), esta pertencente ao Reino Unido.

HISTÓRICO DO EIRE

MOMENTOS HISTÓRICOS FUNDAMENTAIS DO EIRE

SÉCULO XVII - imigração de protestantes escoceses e ingleses

1800 - Lei da União que incorporava a Irlanda ao Reino Unido

FINAL DO SÉCULO XIX - criação de grupos nacionalistas

1916 - "Páscoa Sangrenta" - levante nacionalista esmagado pelos ingleses; criação do Exército Republicano Irlandês (IRA)

1922 - declaração de independência da Irlanda do Sul sob o nome de Estado Irlandês Livre, ainda sob domínio da Coroa britânica

1949 - nascia a República da Irlanda, rompendo seus vínculos com a Comunidade Britânica de Nações

HISTÓRICO DO ULSTER

MOMENTOS HISTÓRICOS FUNDAMENTAIS DO ULSTER

DOMÍNIO POLÍTICO - Reino Unido

PARTIDO MAJORITÁRIO - Partido Unionista de Ulster (pró-britânico)

RELIGIÕES- maioria protestante e minoria católica

SITUAÇÃO DOS CATÓLICOS - vítimas de discriminação e, até recentemente excluídos da política

GRAVE PROBLEMA INTERNO - o terrorismo do Exército Republicano Irlandês (IRA), que propõe a unificação do Ulster ao Eire

MANUTENÇÃO DA ORDEM - presença do Exército Britânico

PARTIDO POLÍTICO CATÓLICO - Sinn Fein ("Nós Sozinhos"), braço político do IRA

1998 - o acordo de paz, Acordo da Sexta-Feira Santa, foi assinado. Criando, pela primeira vez em Ulster, um governo misto: católicos e protestantes. 

SITUAÇÃO ATUAL- embora o IRA tenha renunciado a violência, alguns grupos continuam a atuar e a ameaçar o processo de paz.

CONFLITO NA IRLANDA

A expansão inglesa na Irlanda teve início no século XII, quando o Papa cedeu o controle do país ao rei inglês. Cavaleiros ingleses invadiram a Irlanda, e muitos se estabeleceram lá para formar uma nova aristocracia. Os irlandeses, que tinham diferentes tradições ancestrais, cultura e língua, ressentiram a presença inglesa em seu país.

Nos séculos XVII e XVIII, os protestantes irlandeses estabeleceram leis limitando os direitos dos católicos, banindo-os de cargos públicos e forçando-os a pagar impostos para apoiar a Igreja da Irlanda, que era protestante. Além disso, o inglês foi firmado como língua oficial do país.

Em 1800, o parlamento britânico passou a Lei da União, que oficialmente incorporava a Irlanda ao Reino Unido; porém, não foi dado lugar no Parlamento à Irlanda . Sob pressão dos católicos irlandeses, o Parlamento posteriormente aboliu algumas das leis que discriminavam contra católicos no país.

No final do século XIX surgem os grupos nacionalistas na Irlanda. Em 1916 ocorre a "Páscoa Sangrenta", um levante nacionalista esmagado pelos ingleses. Como consequência é criado o Exército Republicano Irlandês (IRA). O IRA empregava terrorismo - o uso de violência e ameaças - contra protestantes irlandeses e britânicos. Diversos grupos protestantes se armaram e reagiram com violência. Bombardeios e batalhas armadas nas ruas das cidades irlandesas resultaram na morte de soldados e civis.

Em 1914, o Parlamento britânico cedeu o direito de autonomia, mas somente para o sul da Irlanda. Porém, antes dessa medida ser implantada, eclodiu a Primeira Guerra Mundial na Europa. Em 1922, a Irlanda do Sul declara sua independência sob o nome de Estado Irlandês Livre, ainda sob domínio da Coroa britânica. Em 1949 - nascia a República da Irlanda, rompendo seus vínculos com a Comunidade Britânica de Nações.

IRLANDA DO NORTE

A Irlanda do Norte permanecia sendo um grave problema de política externa para a Grã-Bretanha. A Irlanda do Sul (República da Irlanda) tornou-se independente, porém, a Irlanda do Norte permaneceu como parte da Grã-Bretanha. O governo da Irlanda do Norte era dominado por protestantes, e a minoria católica no país tinha muito pouco poder. Muitos católicos esperavam que a Irlanda fosse reunificada e independente.

A partir de 1968, aumentaram as ações terroristas do Exército Republicano Irlandês (IRA), forçando a intervenção britânica e, complicando a situação, foram criados grupos paramilitares protestantes. Na Irlanda do Norte (Ulster), teve início uma guerra civil. Os antagonistas são: de um lado, a maioria protestante, que quer continuar vinculada ao Reino Unido e, de outro, a minoria católica, que deseja a integração com a Irlanda do Sul (Eire).

Em 1969, tropas britânicas foram enviadas à Irlanda do Norte para sufocar levantes políticos e religiosos. Os britânicos se estabeleceram de forma permanente para garantir a autoridade da Grã-Bretanha sobre o país. Em 1972, aboliram o Parlamento da Irlanda do Norte e impuseram um governo direto. Em 1973, o país, por meio de um referendo, optou pela manutenção da união com a Grã-Bretanha. Porém, esse referendo foi boicotado pela maioria da população católica.

Para lutar contra o domínio britânico, o IRA (Irish Republican Army - Exército Republicano Irlandês), um grupo terrorista católico e reintegralista, perpetrou uma onda de ataques terroristas contra alvos britânicos e protestantes. No dia 31 de agosto de 1994, a organização anunciou um cessar-fogo incondicional e propôs o início de conversações de paz. Em fevereiro de 1996, porém, o IRA rompeu o cessar-fogo ao perpetrar um atentado terrorista em Londres.

O Acordo de Belfast

Também conhecido como o Acordo de Sexta-feira-Santa, o Acordo de Belfast foi assinado em 10 de abril de 1998 pelos governos britânico e irlandês. O acordo foi apoiado pela maioria dos partidos políticos norte-irlandeses e pela maioria da população votante na Irlanda do Norte e na República da Irlanda. O acordo visava pôr um fim ao conflito entre católicos e protestantes.

O Acordo de Belfast estabelecia que o futuro constitucional da Irlanda do Norte seria decidido pelo voto de seus cidadãos e que católicos e protestantes utilizariam apenas meios pacíficos e democráticos para atingirem seus objetivos. Foi estabelecida a Assembleia da Irlanda do Norte com poderes legislativos e foram criados um "poder-partilhado" para a atribuição de ministros aos principais partidos e um Conselho britânico-irlandês. O acordo também previa a libertação de guerrilheiros pertencentes às organizações que acatassem o cessar-fogo e nova legislação sobre policiamento e direitos humanos na Irlanda do Norte. Finalmente, foram modificados os artigos 2 e 3 da Constituição da Irlanda, referentes à reivindicação do território da Irlanda do Norte pela República da Irlanda.

Sumário

- Histórico do Eire
- Histórico do Ulster
- Conflito na Irlanda
- Irlanda do Norte
- O Acordo de Belfast
Assine login Questões a responder image Questões dissertativas image Questões para o Enem image