Herança quantitativa - cor da pele

Herança quantitativa

Variações como as existentes na estatura, no peso ou na inteligência do homem, em caracteres economicamente importantes nos animais domésticos e nas plantas cultivadas, tais como a produção de frutos ou sementes, quantidade de leite ou carne, são características que não podem ser classificadas em classes claramente distintas. Esses caracteres são quantitativos ao invés de qualitativos. Existem “todos” os graus intermediários entre grande ou pequeno, pesado ou leve, muito produtor ou pouco produtor.

Os métodos de análise mendeliana são difíceis de aplicar a essas características de variação contínua, pois parecem misturar-se, ao invés de segregar-se, na descendência dos híbridos. A herança da cor da pele nos mulatos, híbridos entre negros e brancos, é um exemplo nítido desta herança que “parece mesclada” e não mendeliana.

Além disso, os caracteres quantitativos podem ser susceptíveis de modificações pelo ambiente. A cor da pele de uma pessoa pode ser mais clara ou mais escura de acordo com o tempo de exposição à luz do sol. Os animais e plantas se desenvolvem mais em tamanho e peso quando dispõem de alimento abundante ou se encontram em um bom solo. 

Os poligenes, os genes determinantes das variações hereditárias nos caracteres quantitativos, não constituem uma categoria à parte de genes. São simplesmente genes cujos diferentes alelos produzem pequenas variações fenotípicas, da mesma ordem de magnitude daquelas diferenças causadas pelas flutuações ambientais usuais.

A herança poligênica não constitui uma classe diferente de herança. É uma herança que deve ser estudada com a ajuda de técnicas estatísticas, ao invés de se contar simplesmente o número de indivíduos que pertencem a algumas poucas classes facilmente distinguíveis.

Cor da pele em cruzamentos entre negros e brancos

A hipótese dos genes múltiplos (poligenes), proposta para explicar a herança dos caracteres quantitativos, supõe que algumas diferenças entre os caracteres estão determinadas por uma série de genes independentes. Os efeitos destes genes são cumulativos ou aditivos; quer dizer, cada gene contribui com certa quantidade de cor, altura, peso ou fertilidade e o fenótipo que se desenvolve é o resultado da soma destas quantidades.

Não pode haver dominância ou ela é incompleta; a geração F1 apresenta uma mistura dos caracteres dos parentais. Em F2 a maior parte dos indivíduos também apresenta características intermediárias entre os “avós” e podem se parecer com seus parentais da geração F1, como se a herança das linhagens cruzadas estivesse inteiramente mesclada ou fundida. Mas, alguns indivíduos da geração F2 são intermediários entre a F1 e os “avós”, e, finalmente, uma minoria pode se parecer com os “avós”.

Davenport (1913) verificou que a hipótese dos genes múltiplos explica a herança da cor da pele em mulatos, caráter que parecia desconcertante e inclusive incompatível com a teoria dos genes. Propôs que os negros nativos da África central e ocidental diferiam dos brancos em dois pares de genes aditivos determinantes para a formação do pigmento melanina e que não apresentam dominância.

Suponhamos, portanto, que os negros tenham quatro genes aditivos (2 pares) para a coloração da pele, PP NN, e que os brancos não tenham esses genes, pp nn. Os mulatos da primeira geração terão dois genes aditivos para a cor, Pp Nn, e sua coloração será intermediária entre os parentais.

Cruzamento P
negro
x
branca
genótipos
PP NN
 
pp nn
F1
Pp Nn (100% mulatos-médios)
Cruzamento
híbrido F1 (mulato-médio) x híbrido F1 (mulata-média)
genótipos
Pp Nn
 
Pp Nn

Quadrado de Punnett – previsão dos resultados de F2

tipos de
gametas

¼
P N

¼
P n

¼
p N

¼
p n

¼
P N

PP NN
negro

PP Nn
mulato-
escuro

Pp NN
mulato-
escuro

Pp Nn
mulato-
médio

¼
P n

PP Nn
mulato-
escuro

PP nn
mulato-
médio

Pp Nn
mulato-
médio

Pp nn
mulato-
claro

¼
p N

Pp NN
mulato-
escuro

Pp Nn
mulato-
médio

pp NN
mulato-
médio

pp Nn
mulato-
claro

¼
p n

Pp Nn
mulato-
médio

Pp nn
mulato-
claro

pp Nn
mulato-
claro

pp nn
branca

A descendência dos mulatos F1, ou seja, a geração F2 se apresentará:

  • negros = 1/16 - com os 4 genes aditivos (PP NN).
  • mulatos-escuros = 4/16 - com 3 genes aditivos.
  • mulatos-médios = 6/16 - com 2 genes aditivos.
  • mulatos-claros = 4/16 - com 1 gene aditivo.
  • brancos (fenótipo básico) = 1/16 - com nenhum gene aditivo (pp nn).
(p + q)n n = no de genes;
  p = no de genes aditivos;
  q = no de genes não aditivos
                   
(p + q)4 =
1 p4
+
4 p3q
+
6 p2q2
+
4 pq3
+
1 q4
 
 
 
 
 
 
1/16
 
4/16
 
6/16
 
4/16
 
1/16
 
negro
 
mulato-
escuro
 
mulato-
médio
 
mulato-
claro
 
branco

Devido à segregação dos genes, alguns descendentes de mulatos se parecem na cor da pele e também em outros caracteres, com indivíduos de ascendência branca.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Herança quantitativa
- Cor da pele em cruzamentos entre negros e brancos
Assine login Questões de Revisão image