Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade é considerado um dos maiores escritores do Brasil. Poeta, contista e cronista, Carlos Drummond de Andrade fez parte da segunda geração modernista e foi precursor da chamada “poesia de 30”.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro, MG, (1902) e morreu no Rio de Janeiro, em 1987. Em 1916, vai para Belo Horizonte, para estudar em um internato, que tem de abandonar por problemas de doença - regressa a Itabira e passa a ter aulas particulares. Em 1918, segue para outro internato, em Nova Friburgo, RJ, de onde é expulso, apesar de aluno destacado, por "insubordinação mental".

Forma-se em Farmácia em Belo Horizonte, mas não exerce a profissão: dedica-se a  atividades jornalísticas e à poesia. Em Belo Horizonte, integra-se ao grupo de renovação modernista e dirige sua primeira publicação, A Revista, de efêmera duração.

Vai para o Rio de Janeiro e inicia a atividade de funcionário público, enquanto se dedica à produção de suas poesias e crônicas. Sua carreira literária intensifica-se  nos anos 50 e, aposentado a partir de 62, dedica-se totalmente a ela; recebeu inúmeros prêmios e teve sua obra traduzida para várias línguas.

É  considerado, por muitos críticos, o maior poeta brasileiro do Século XX. Morreu no Rio de Janeiro aos oitenta e quatro anos, vítima de ataque cardíaco.

Principais obras

Poesia:

  • Alguma Poesia
  • Brejo das Almas
  • Sentimento do Mundo
  • Poesia & José
  • A Rosa do Povo
  • Poesia até Agora
  • Claro Enigma
  • Viola de Bolso
  • Fazendeiro do Ar
  • Viola de Bolso Novamente Encordoada
  • A Vida Passada a Limpo
  • Lição de Coisas
  • Versiprosa I e II
  • Boitempo & a Falta que Ama
  • Boitempo II
  • Boitempo III              
  • Reunião
  • As Impurezas do Branco
  • A Paixão medida
  • Corpo
  • Amar se Aprende Amando
  • Poesia Errante            
  • O Amor Natural

Prosa:

  • Confissões de Minas
  • Contos de Aprendiz
  • Fala, Amendoeira
  • A Bolsa & A Vida
  • Cadeira de Balanço
  • Caminhos de João Brandão
  • O Poder Ultrajovem
  • De Notícias & Não Notícias Faz-se a Crônica
  • Os Dias Lindos
  • Contos Plausíveis
  • O Observador no Escritório
  • Tempo, Vida, Poesia
  • O Avesso das Coisas
  • Moça Deitada na Grama

Características de sua poesia

Obra poética

Expressão do amadurecimento individual num mundo em permanente mutação - temas básicos desenvolvidos de diversas maneiras - quatro fases evidentes:

1a. FASE - o lado gauche:

  • "eu" diferente, deslocado, "às avessas" das coisas;
  • pessimismo, individualismo;
  • "subjetividade irônica" - poesia marcada pela ironia;
  • posição de equidistância e não envolvimento;
  • humor, poema-piada, poema-pílula; síntese, linguagem coloquial;
  • texto objetivo, muitas vezes seco, versos curtos;
  • irreverência, sarcasmo;
  • obras mais representativas:  Alguma Poesia e  Brejo das almas;
  • destaque para os poemas "No Meio do caminho", "Poema de Sete Faces", "Cota Zero", "Política Literária" , "Cidadezinha Qualquer", "Quadrilha" etc.

Textos escolhidos:

Texto I
Poema de sete faces

Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
O bonde passa cheio de pernas:
 pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é o meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.

Texto II
No Meio do Caminho

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

Texto III
Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J.Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.                                                                    
                      Alguma poesia

2ª. FASE - a poesia social:

  • cultivada dentro de um contexto histórico problemático
  • a ascensão do nazifascismo, a Segunda Guerra Mundial, a ditadura de Getúlio Vargas
  • reflexos na cosmovisão do poeta:
    • preocupação com o indivíduo e com a sociedade;
    • consciência da debilidade do mundo;
    • mundo = instituições opressoras e sufocantes do Homem
    • obstáculos e desencontros
    • necessidade de transformação
  • poesia engajada, marcada pelo sentimento de solidariedade em relação às frustrações e às esperanças humanas — o eu e o mundo;
  • temas recorrentes
    • a política, a guerra, o sofrimento,a solidão, a impotência do Homem diante do mundo
    • o “sentimento do mundo”;
  • obras mais representativas:
    • A Rosa do Povo;
    • Sentimento do Mundo;
    • José.
  • destaque para os poemas:
    • Consideração do Poema”;
    • “Procura da Poesia”;
    • “a Flor e a Náusea”;
    • “O Medo”;
    • “Nosso Tempo”;
    • “Resíduo”;
    • “Confidência do Itabirano”;
    • “Os Ombros Suportam o Mundo”;
    • “Mãos Dadas”;
    • “José”;
    • “O Sentimento do Mundo”;
    • “Caso do Vestido”.  

Sumário

- Carlos Drummond de Andrade
- Principais obras
- Características de sua poesia
Assine login Questões de Vestibular image Questões para o Enem image