A Linguagem e o Texto

A LINGUAGEM E O TEXTO

A Linguagem

Desde o desenvolvimento da Linguística, com Ferdinand Saussure, no século XIX, a linguagem passou a ser estudada e a ser descrita cientificamente.

A linguagem tem como objetivo a produção de sentido em um processo comunicativo. Para compreender a relação entre a linguagem e a comunicação, é fundamental conhecer as funções da linguagem.

A Linguagem

As Funções da Linguagem

Há seis elementos básicos no processo de comunicação:

  1. Emissor: transmite a informação (primeira pessoa.). Comunica algo a alguém.
  2. Receptor: o interlocutor, isto é, a pessoa que recebe a mensagem do emissor. Aquele com quem o emissor se comunica.
  3. Mensagem: o conteúdo transmitido pelo emissor ao receptor.
  4. Código: a própria linguagem, ou seja, a convenção social que permite ao receptor entender a mensagem.
  5. Canal: o meio físico que conduz a mensagem do receptor.
  6. Contexto (referente): o assunto da mensagem: o conjunto de elementos do mundo circundante que caracteriza o assunto, dando sentido à mensagem

Para a maioria das pessoas, o uso da linguagem é automático e, portanto, raramente se percebe que o modo de organização de mensagem está diretamente ligado à função que se deseja dar a ela.

Sempre que uma pessoa se comunica, há uma finalidade. Esse é o motivo por que certas expressões são adequadas a certas situações e inoportunas em outras. Essa intenção determina as funções da linguagem.

Em todas as situações de comunicação, esses seis elementos estão presentes. Contudo, pode haver, em cada situação, ênfase dada a uma ou mais desses elementos e, portanto, fala-se de funções da linguagem.

Emotiva ou Expressiva (emissor)

Essa função de linguagem ocorre quando o emissor se coloca no centro do discurso explorando sua subjetividade – seus sentimentos e opiniões. O destaque é dado do emissor. Portanto, o uso da primeira pessoa de verbos e pronomes, interjeições, adjetivos e advérbios emotivos, reticências indicando suspiro ou sugestão, pontos de exclamação, que revelam surpresa e pontos de interrogação, quando se tratar de perguntas autor-reflexivas, são fortes indícios de sua presença.

Apelativa ou Conativa (receptor)

Essa função aparece quando se tenta persuadir o receptor, quando se espera dele uma resposta ou uma atitude.

Essa função ocorre quando o destaque é dado ao receptor. Suas principais características são:

  1. Verbos no imperativo
  2. Verbos e pronomes na segunda ou terceira pessoas
  3. A tentativa de convencer o receptor a se comportar de determinada maneira
  4. Presença em textos de publicidade e propaganda

Cognitiva, Referencial ou Denotativa (contexto)

É a função que ocorre quando o destaque é dado ao referente, ou seja, ao contexto, ao assunto.

Está centrada no contexto. Ocorre sempre que a linguagem tem caráter informativo, de constatação. Suas marcas são a predominância de advérbios e de adjetivos neutros, puramente descritivos, o uso de verbos e pronomes em terceira pessoa, além do uso de vocabulário em sentido denotativo.

Suas principais características são:

  1. Objetividade e clareza
  2. A finalidade de traduzir a realidade tal como ela é
  3. Presença em textos jornalísticos e científicos

Metalinguística (código)

Ocorre sempre que a linguagem explica ou comenta a si mesma. Sempre que um poema falar sobre a composição poética, sempre que palavras são usadas para explicar palavras, sempre que o código for o elemento central, existirá a metalinguagem. Em outras palavras, é a linguagem utilizada para resolver problemas de entendimento linguístico ou para esclarecer elementos específicos de um código.

A metalinguagem também ocorre quando o poeta reflete em um texto sobre a criação poética, quando um cineasta cria um filme que tematiza o próprio cinema, quando um programa de televisão enfatiza o papel da televisão na sociedade, etc. O exemplo mais definitivo são os dicionários da língua e os livros de gramática. Nesses exemplos, percebe-se que o código é utilizado para explicar o próprio código. 

Fática (canal)

Essa função ocorre sempre que vai se iniciar, manter ou finalizar um ato de comunicação.

É a função que ocorre quando o destaque é dado ao canal: as primeiras palavras de quem atende ao telefone, as conversas de elevador, etc.

Exemplos típicos da função fática são os cumprimentos diários – Oi!, Tudo bem?.

O interesse do emissor, ao transmitir a mensagem, é o de testar o canal. A finalidade última é a de estabelecer, manter ou prolongar o contato com o receptor.

Poética (mensagem)

É a função que ocorre quando o destaque é dado à própria mensagem e à sua elaboração. A preocupação do emissor é com a melhor forma de transmitir essa mensagem, escolhendo sons e imagens por meio da linguagem utilizada.

As figuras de estilo são um dos recursos utilizados pelo emissor quando coloca em evidência a função poética. Os textos literários, em prosa ou em verso, são os melhores exemplos de presença predominante dessa função.

A função poética em subverter o estilo referencial, expressar polissemia ou produzir efeito estético. Essa função está presente quando há cuidado com a seleção vocabular para atingir poderosos efeitos de sentido.

O uso da conotação, o apelo à ambiguidade, à polissemia e aos recursos de sonoridade são suas marcas. Portanto, não aparece apenas na Literatura, mas também em peças publicitárias e mesmo em linguagem jornalística.

É importante ressaltar que as seis funções não se excluem. Dificilmente há em um texto apenas uma das funções. O que ocorre é que há o predomínio de uma das funções sobre as outras: esse predomínio está ligado à intenção da mensagem.

Ao produzir um texto, é fundamental que o autor determine a finalidade que deseja alcançar. Isso fará com que sua linguagem assuma um ou mais funções. Caso contrário, o texto produzido pode ser confuso, tanto para quem o lê como para quem o produz.

Os Níveis de Linguagem

A linguagem não pode ser dissociada do contexto em que é produzida ou percebida. O domínio do nível a ser utilizado em cada situação comunicacional é de extrema importância.

Formalidade:

  1. Formal: ocorre quando a situação comunicativa deixa transparecer um clima de seriedade, respeito ou distanciamento entre emissor e receptor.
  2. Informal: ocorre quando há proximidade entre emissor e receptor.

Em linguagem oral, o vocabulário é mais informal. Dependendo do falante, há o emprego de gírias.

Norma culta:

  1. Culta: as normas gramaticais são respeitadas
  2. Coloquial ou popular: as normas gramaticais não são respeitadas.

A norma culta está mais presente na comunicação escrita. O motivo disso é que nesse tipo de linguagem, há a necessidade de um código mais uniforme. O coloquial, por sua vez, é mais utilizado na comunicação oral.

Contudo, há momentos em que o culto será utilizado na comunicação oral. Isso ocorre em momentos de maior formalidade, como em uma palestra.

Por outro lado, o coloquial também pode estar presente na escrita: no romance, na crônica, no conto, etc.

- É importante notar que é possível a combinação entre os grupos acima. Por exemplo, é possível se comunicar no nível culto de maneira informal.

- Não se deve confundir uma linguagem culta com uma linguagem erudita. Esta é caracterizada pelo seu grau de sofisticação.

- A oralidade é um dos indícios da linguagem coloquial.

- A linguagem pode ser classificada também como literária, regional, vulgar ou técnica.

O Texto

Texto é todo conjunto articulado e organizado de ideias com o objetivo de produzir um determinado sentido em uma situação. Um texto não precisa ter palavras, mas precisa ter sentido. Quanto à presença ou ausência de palavras, o texto pode ser classificado como verbal, não verbal ou híbrido. Quando o texto é híbrido, tanto os elementos verbais como os não verbais são imprescindíveis para a compreensão de sua mensagem.

Organização do Texto Verbal

Título

É uma síntese do texto. Em muitos casos, é fundamental para que o texto seja compreendido corretamente.

Caso seja pedido nas instruções da prova, não pode ser esquecido.

Estruturação

A divisão de um texto em parágrafos (ou em estrofes) não é aleatória: comporta uma série de critérios significativos, que contribuem para a identificação do progresso textual do autor.

Dados Técnicos

Ao final do texto, costumam ser apresentados alguns dados técnicos que podem ser bem aproveitados por quem os analisa. Por exemplo, a data do texto pode ajudar a compreender o contexto social e cultural em que o texto foi produzido.

Hipertexto

Tradicionalmente, um texto é escrito de forma sequencial. Contudo, ele pode ser organizado de uma forma mais complexa para ser lido em múltiplos níveis. Alguns elementos que caracterizam o hipertexto são legendas de fotos, muitas das páginas na Internet, “leads” de reportagem, verbetes de enciclopédia, índices analíticos e notas de rodapé.

Análise de Textos Não Verbais

A linguagem verbal é geralmente linear. Partimos de pequenos conjuntos sintagmáticos para compreendermos o todo.

Na linguagem não verbal, vários signos podem ocorrem simultaneamente. Portanto, é necessário captar a totalidade antes de iniciar sua decomposição.

Os Gêneros Discursivos

Os textos podem ser agrupados em cinco grandes grupos, de acordo com suas características estruturais e sua linguagem e finalidade. Esses grupos formam os gêneros textuais.

Os tipos de texto mais comuns são:

Relatar

Histórias reais que perpetuam as ações humanas no tempo.

Narrar

Histórias de ficção que contam um determinado acontecimento.

Argumentar

Expressa opinião. Utiliza argumentos para defendê-la e para persuadir o receptor.

Expor

Transmissão e construção do conhecimento

Instruir

Orientar comportamentos.

Modos de Organização Discursiva

Narração

O objetivo do texto narrativo é contar um acontecimento. Isso significa que precisa haver algo acontecimento – algum fato que permite o desenvolvimento do enredo pelo narrador.

Descrição

Nessa modalidade, não há acontecimento. Uma das características marcantes desse tipo de texto é a unidade temporal. A descrição é também caracterizada pelas analogias (denotativas ou conotativas), o pouco número de verbos de ação, o apelo sensorial, a adjetivação e a adverbialização.

Dissertação

O objetivo é desenvolver argumentos que provem teses.

Sumário

- A Linguagem
- As Funções da Linguagem
i. Emotiva ou Expressiva (emissor)
ii. Apelativa ou Conativa (receptor)
iii. Cognitiva, Referencial ou Denotativa (contexto)
iv. Metalinguística (código)
v. Fática (canal)
vi. Poética (mensagem)
- Os Níveis de Linguagem
- O Texto
i. Organização do Texto Verbal
- Análise de Textos Não Verbais
- Os Gêneros Discursivos
i. Modos de Organização Discursiva
Assine login Questões de Vestibular image Questões para o Enem image