Sujeito e Predicado

Sujeito e Predicado

Sujeito de uma oração

O sujeito e o predicado são os termos essenciais da oração, pois normalmente aparecem em toda oração.

Geralmente, mas não sempre, o sujeito da oração representa o elemento que executa uma ação. Sujeito é o elemento a respeito do qual se informa. Entretanto, existem verbos que não expressam uma ação. Desta forma, o melhor é entender que o verbo sempre faz referência ao sujeito, por isto, concorda com ele (em número e pessoa). Existe uma maneira muito prática de identificar o sujeito.

Observe o exemplo:

oração
para achar o sujeito
sujeito
Paulo acordou cedo. Quem acordou cedo? Paulo.
Os alunos sabem a lição. Quem sabe a lição? Os alunos.

Núcleo do sujeito

Quando o sujeito é expresso por mais de uma palavra, haverá sempre uma de maior importância, que é chamada de núcleo. O núcleo do sujeito, por ser um termo independente na estrutura sintática da oração, não pode ser regido por preposição.

Exemplos:

O sujeito pode ser:

  • um substantivo: José estudava para a prova. Chocolates cobriam a mesa.
  • um pronome substantivo: Isso não me preocupa. Eles passam o dia na praia.
  • um numeral: Três é demais. Ambos são meus amigos.
  • uma palavra substantivada: Amar é lindo. O dez é o meu número favorito.
  • uma oração subordinada substantiva: É necessário que você estude. É urgente que você venha.

Classificação do sujeito

O sujeito pode estar determinado ou indeterminado; ou seja, podemos identificá-lo ou não.

SUJEITO DETERMINADO:

a) simples:

Contém um só núcleo. Existe uma única palavra como centro de referência.

Por exemplo:

Céu estrelado.

As estrelas brilham no céu!

 

b) composto:

Contém mais de um núcleo.

Por exemplo:

O menino e a menina chegaram.

Neste caso, é possível identificar o sujeito da oração; mas ele não está claro, não está, ali, escrito ou falado. O sujeito pode ser identificado pela desinência do verbo ou pelo contexto da oração.

 

c) oculto ou elíptico:

 

Consegui esse gol! (Sujeito oculto: eu)
Conseguimos esse gol! (Sujeito oculto: nós)

Repare: quando o indivíduo disse: "Consegui!", o sujeito "eu" ficou oculto. Da mesma forma ficaram ocultos o "você", subentendido em "Conseguiu?" e o "nós" em "Conseguimos!"

SUJEITO INDETERMINADO:

O sujeito pode estar indeterminado. Isto quer dizer que existe um sujeito para o evento expresso pelo verbo. O problema é que ele não será identificado. Para este caso, quando se procura o sujeito, a resposta obtida sempre será: "não sei!". O falante que constrói a oração não quer ou não pode revelar o sujeito.

Por exemplo:

Assaltaram muitos bancos.

Quem assaltou?

Sujeito: "sei lá!" = indeterminado.

Em nossa língua existem duas estruturas para a construção de orações com sujeito indeterminado.

a) Usa-se o verbo na terceira pessoa do plural, enfatizando a ocorrência.

Por exemplo:

 

b) Usa-se o pronome se junto de qualquer tipo de verbo conjugado na terceira pessoa do singular, exceto o transitivo direto. Ao procurar o sujeito, a resposta virá a mesma: "Não sei!"

Observe:

Vive-se bem no Brasil.

Necessita-se de respeito às leis.

Era-se feliz no passado.

 

Observações:

1. Normalmente o falante ou o escritor usam a estrutura de sujeito indeterminado para expressar ideias generalizadas ou para não revelar o executor de uma ação.

b) Usa-se o pronome se junto de qualquer tipo de verbo conjugado na terceira pessoa do singular, exceto o transitivo direto. Ao procurar o sujeito, a resposta virá a mesma: "Não sei!"

 

 

Observações:

1. Normalmente o falante ou o escritor usam a estrutura de sujeito indeterminado para expressar ideias generalizadas ou para não revelar o executor de uma ação.

2. Nos casos acima, a palavra se é chamada de índice de indeterminação do sujeito.

Atenção: Quando ocorre a partícula apassivadora se, não há sujeito indeterminado; há sujeito expresso. Para saber se a partícula se é apassivadora, basta verificar se existem estas duas condições:

1. verbo transitivo direto flexionado na terceira pessoa (singular ou plural);

2.  possibilidade de transformação da oração para a voz passiva analítica.

Por exemplo:

(Há verbo transitivo direto, pois quem quebra, quebra alguma coisa).

(Há verbo transitivo, pois quem vende, vende alguma coisa).

Quando o sujeito é representado por um pronome substantivo indefinido, ele não deve ser considerado indeterminado; é sujeito simples.

Por exemplo:

Sumário

- Sujeito de uma oração
- Núcleo do sujeito
- Classificação do sujeito
- Oração sem sujeito
- Sujeito oracional
- Predicado da oração
- Tipos de predicado
- Predicação verbal
- Predicativo
Assine login Questões para o Enem image