Pronomes

Os entes de nossa cultura são nomeados por palavras que se incluem na categoria de substantivos. Entretanto, nem sempre nos servimos de substantivos para fazer referências aos elementos culturais que nos rodeiam: podemos servir-nos de uma classe de palavras chamada pronome. Pronome é a palavra que substitui ou acompanha um substantivo.

Quando o pronome substitui o nome, é pronome substantivo: Ela está triste.

Quando se refere a ele, é pronome adjetivo: Esta menina está triste.

 

PRONOMES PESSOAIS

Os pronomes pessoais são os que substituem as três pessoas gramaticais.

PESSOAIS

CASO RETO

CASO OBLÍQUO

1ª SINGULAR

eu

me, mim, comigo

2ª SINGULAR

tu

te, ti, contigo

3ª SINGULAR

ele, ela

o, a, lhe, se, si, consigo

1ª PLURAL

nós

nos, conosco

2ª PLURAL

vós

vos, convosco

3ª PLURAL

eles, elas

os, as, lhes, se, si, consigo

NOTA:

Observação: Em muitos estados do Brasil, as formas tu e vós são substituídas por você e vocês, respectivamente. As formas que se associam a esses dois pronomes pessoais são:

você: o/a, se, si, lhe
vocês: os/as, se, si, lhes

ESTUDO DOS PRONOMES PESSOAIS

PRONOMES RETOS

a) Exercem sempre a função sintática de sujeito do processo verbal. É errado empregá-los como complemento.

Exemplos:

Ela chegou atrasada. (certo)
Convidaram ela para o evento. (errado)

b) Na função de complemento, usam-se os pronomes oblíquos, e não os pronomes retos.

Exemplos:

Convidei-a. (certo)
Convidei ela. (errado)

Chamaram-me. (certo)
Chamaram eu. (errado)

c) Os pronomes retos, exceto eu e tu, quando precedidos de preposição, funcionam como oblíquos. Nesse caso, é correto usá-los como complemento.

Exemplos:

Deram a nós o dinheiro.
Eles gostam muito de nós.
Contaram a ele o segredo.

Atenção:

Informaram a eu. (errado)
Informaram a tu. (errado)
Informaram-me. (certo)

d) As formas retas eu e tu só funcionam como sujeito, não como complemento.

Exemplos:

Nunca houve problemas entre mim e ti. (certo)
Nunca houve problemas entre eu e tu. (errado)

Atenção: Sendo precedidas de preposição, usam-se as formas oblíquas mim e ti. No entanto, há casos em que é correto usar as formas retas eu e tu, mesmo quando precedidas por preposição. Isso ocorre quando essas formas agem como sujeito de um verbo no infinitivo.

Exemplos:

Dê esse livro para ler.

Deram o trabalho para eu fazer.

Apesar de precedido pela preposição para, o pronome é reto, eu, pois age como o sujeito do verbo no infinitivo fazer.

PRONOMES OBLÍQUOS

e) Os pronomes oblíquos se, si, consigo, são reflexivos:

Exemplos:

Gosto muito de você. (certo)
Gosto muito de si. (errado)

Quero falar com você. (certo)
Quero falar consigo. (errado)

Quando os pronomes se, si, consigo são empregados como reflexivos, não há erro: Exemplo: O aluno trouxe o caderno consigo.

f) Os pronomes oblíquos podem ser combinados:

Me + o = mo

Me + os = mos

Te + o = to

Te + os = tos

Lhe + o = lho

Lhe + os = lhos

Nos + o = no-lo

Nos + os = no-los

Vos + o = vo-lo

Vos + os = vo-los

Lhes + o = lho

Lhes + os = lhos

Me + a = ma

Me + as = mas

Te + a = ta

Te + as = tas

Exemplos:

Você deu o envelope ao carteiro?
Sim, dei-lho. (lhe representa o carteiro + o representa o envelope)

Não lhe dou este livro = não lho dou.
Ele ainda não nos deu a resposta = Ele não no-la deu.

g) As formas oblíquas o, a, os, as são usadas como complemento de verbos transitivos diretos. Já as formas oblíquas lhe, lhes são usadas como complemento de verbos transitivos indiretos.

Exemplos:

José convidou-o. (convidar - verbo transitivo direto)
José obedece-lhe. (obedece - verbo transitivo indireto)

Eu a vi ontem. (certo)
Eu lhe vi ontem. (errado)

Sempre lhe obedeci. (certo)
Sempre o obedeci. (errado)

PESSOAIS

CASO RETOS

CASO OBLÍQUO Átonos (sem preposição)

CASO OBLÍQUO Tônicos (com preposição)

1ª SINGULAR

eu

me

mim

2ª SINGULAR

tu

te

ti

3ª SINGULAR

ele, ela

se, lhe, o, a

si, ele, ela

1ª PLURAL

nós

nos

nós

2ª PLURAL

vós

vos

vós

3ª PLURAL

eles, elas

se, lhes, os, as

si, eles, elas

REGRAS

1. As formas ele/ela, nós, vós e eles/elas aparecem na coluna do caso reto e na do caso oblíquo. Tais formas podem exercer tanto o papel de sujeito como o de complemento.

Exemplos:

Ela recebeu um presente. (pronome do caso reto - sujeito da oração)
O namorado entregou o presente para ela. (pronome oblíquo - não é o sujeito da oração)

Os pronomes ele (eles) e ela (elas), quando oblíquos, são tônicos e, portanto, devem ser precedidos de preposição. Quando não houver preposição, tais formas não devem ser usadas.

Exemplos:

Eu conheço ele. - Incorreto, pois não há preposição.
Eu o conheço. - Correto

2. Lembre-se de que os pronomes oblíquos átonos nunca são precedidos de preposição. Já os oblíquos tônicos sempre são precedidos de preposição.

Exemplos:

Ele me dará um presente. (pronome oblíquo átono - sem preposição)
Pense em mim. (pronome oblíquo tônico - com preposição)

3. Quando se designa uma determinada pessoa gramatical, é necessário que se utilize os pronomes referentes a ela de maneira uniforme. Essa exigência se chama de uniformidade de tratamento.

Veja:

Exemplo 1: Gosto de você, por isso te escolhi para jogar futebol conosco. - Incorreto
Exemplo 2: Gosto de você, por isso o escolhi para jogar futebol conosco. - Correto

O Exemplo 1 está incorreto, pois as formas que se associam ao pronome você são: o/a, se, si, lhe, não te.

As formas que se associam a esses dois pronomes pessoais são:

você: o/a, se, si, lhe

h) SI, CONSIGO: são consideradas formas pronominais reflexivas do pronome SE. Dessa forma, SI e CONSIGO só podem referir-se ao sujeito do verbo.

Exemplos:

Ele sempre traz a pasta consigo.
Aquele homem só fala de si mesmo.

Atenção:

É errado empregar as formas SI e CONSIGO em frases como: Fiquei fora de si com a notícia.
O correto é: Fiquei fora de mim com a notícia.
É incorreto dizer: Desejo falar consigo.
Nesse caso, deve-se usar com você (s): Desejo falar com você.

i) NÓS e VÓS, CONOSCO e CONVOSCO:

a) usamos NÓS e VÓS se, na oração, estiverem determinados, geralmente por um numeral, ou pelas expressões todos, mesmo, outros, próprios:

Exemplos:

Ele quer falar com nós dois.
Desejo conversar com vós todos.

b) usamos CONOSCO e CONVOSCO (preposição COM + pronome NÓS ou VÓS) quando não houver determinação:

Exemplos:

Ele quer falar conosco.
Desejo falar convosco.

PRONOME DE TRATAMENTO

A elegância e educação obrigam certas formas de tratamento que distinguem as pessoas a quem nos referimos. Nesse caso, empregam-se os pronomes de tratamento. É importante saber o emprego de cada um deles, bem como as formas abreviadas que se empregam na escrita.

Veja o quadro abaixo:

V.A. = Vossa Alteza - príncipes e duques

V. Emª = Vossa Eminência - cardeais

V. Il.ma. = Vossa Ilustríssima - autoridades em geral

V Rev.ma. = Vossa Reverendíssima - bispos

V. S. = Vossa Santidade - Papa

V. Exª = Vossa Excelência - Presidente e altos cargos

V. M. = Vossa Majestade - reis

V. Sª = Vossa Senhoria - pessoas de cerimônia

NOTA:

As formas acima são usadas para o tratamento direto e estabelecem concordância com a terceira pessoa do singular. No tratamento indireto, emprega-se SUA no lugar de VOSSA, com abreviatura S..

REGRAS DE PRONOMES DE TRATAMENTO

1. Os pronomes de tratamento são precedidos de vossa quando nos dirigimos à pessoa e de sua quando falamos da pessoa.

Exemplos:

Vossa Excelência gostou do meu trabalho?
Sua Excelência, o presidente, estará amanhã no Rio de Janeiro.

No primeiro caso, fala-se diretamente com o presidente. No segundo caso, fala-se do presidente.

2. Você e os demais pronomes de tratamento, mesmo que se refiram à pessoa com quem falamos, são classificados como pronomes de terceira pessoa.

Exemplos:

Você trouxe seus livros?
Vossa Excelência não precisa preocupar-se com seu estado de saúde.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Pronomes Pessoais
- Pronome de Tratamento
- Pronomes Demonstrativos
- Pronomes Possessivos
- Pronomes Interrogativos
- Pronomes Indefinidos
- Pronomes Relativos
Assine login Questões para o Enem image