Fonética e Fonologia

FONÉTICA E FONOLOGIA

 

O ser humano é capaz de se comunicar por meio de sons, por meio da voz. Esses sons têm origem na camada de ar que é expelida pelos pulmões e que percorre o que chamamos de aparelho fonador.

O estudo dos sons da fala se chama Fonética. Fonologia estuda os fonemas.

Quando falamos, emitimos sons (via oral); esses sons, que se ajuntam para formar uma palavra, chamam-se fonemas. No Português do Brasil existem perto de 33 fonemas. A representação gráfica dos fonemas, para diferir das letras, faz-se entre barras. De uma forma menos teórica, é possível dizer que um fonema é um som mínimo que se agrega a outros para produzir uma palavra falada.

Todo fonema vem representado entre barras oblíquas.

Exemplos:

/a/, /b/, /m/ etc.

O ALFABETO (conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa)

As letras K, W e Y passaram a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa, que agora conta com 26 letras, cada uma com uma forma maiúscula e outra minúscula:

Forma minúscula Forma maiúscula
a A
b B
c C
d D
e E
f F
g G
h H
i I
j J
k K
l L
m M
n N
o O
p P
q Q
r R
s S
t T
u U
v V
w W
x X
y Y
z Z

Além dessas letras, usam-se o ç e os dígrafos rr, ss, ch, lh, nh, gu e qu.

As letras k, w e y passaram oficialmente a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa. No entanto, seu uso não deve substituir as formas já adaptadas ao português. Não é permitido, por exemplo, escrever "kilo" no lugar de "quilo".

O uso das letras k, w e y ocorre nos seguintes casos:

a) Nomes próprios de pessoas em línguas estrangeiras. Exemplos: Kant, Byron, Kafka, William.

b) Nomes geográficos. Exemplos: Kuwait, Malawi.

c) Siglas, símbolos e unidades de medida de uso internacional. Exemplos: kW (kilowatt).

Nomes de países e cidades em outras línguas devem ser grafados em sua forma correspondente em português. Por exemplo: Nova Iorque. Já os nomes que não possuem versão em português, como Washington e Los Angeles, devem manter a grafia original.

Os dígrafos finais de origem hebraica ch, ph e th podem conservar-se em formas onomásticas da tradição bíblica, ou então, simplificar-se, como:

Baruch (o ch em hebraico é pronunciado como o j em espanhol) ou Baruc; Loth ou Lot

As consoantes finais grafadas b, c, d, g e t mantêm-se nas formas onomásticas em que o uso as consagrou: Jacob, Job, Isaac, David, Gad.

Maiúsculas e Minúsculas

A letra minúscula é usada para designar nomes de meses (janeiro, fevereiro), de estações do ano (verão, inverno) e de dias da semana (domingo, segunda-feira).

Os pontos cardeais também são escritos com letra minúscula: norte, sul, sudeste, nordeste. No entanto, suas abreviaturas são escritas em letra maiúscula: N (norte), O (oeste). Quando se utilizam pontos cardeais são utilizados para indicar uma região, eles são escritos com letra maiúscula: Nordeste (região nordeste brasileira).

O uso da letra minúscula é facultativo nos seguintes casos:

a) Citações biográficas (com exceção da primeira palavra e de termos obrigatoriamente grafados com letra maiúscula, como nomes próprios). Por exemplo, "Triste Fim de Policarpo Quaresma" é tão aceitável quanto "Triste fim de Policarpo Quaresma".

b) Formas de tratamento e reverência e nomes sagrados que designam crenças religiosas: senhor doutor Joaquim da Silva (Senhor Doutor Joaquim da Silva) e cardeal João (Cardeal João).

c) Nomes que designam cursos e disciplinas. Exemplos: Biologia ou biologia; Português ou português.

A letra maiúscula é usada:

a) em nomes próprios (reais ou fictícios): José; Branca de Neve.

b) em nomes de lugares (reais ou fictícios): Rio de Janeiro; Atlântida.

c) nomes mitológicos: Ulisses.

d) nomes que designam instituições: Instituto de Cultura de Minas Gerais

e) nomes que designam festas ou festividades: Natal; Rosh Hashaná Yom Kipur; Ramadã.

f) títulos de jornais e revistas (que devem ser sempre grafados em itálico): O Estado de São Paulo.

g) siglas e abreviaturas: OTAN; Sr.

A letra maiúscula inicial é facultativa em termos de reverência ou formas de tratamento cortês. O uso também é facultativo em inícios de versos e em termos que classificam locais públicos (rua, avenida), assim como templos e edifícios. Exemplos: Igreja ou igreja do Bonfim, sinagoga ou Sinagoga Lubavitch, palácio ou Palácio da Cultura.

FONEMAS E SUA CLASSIFICAÇÃO

Às vezes, letra e fonema se igualam na leitura. A letra t, por exemplo, sempre representará o fonema /t/, mas a letra c representa o fonema /k/. É possível, portanto, que uma palavra tenha número diferente de letras e fonemas.

Fonemas são os elementos sonoros mais simples da língua. Fonema é o som que a letra representa. Fonema é aquilo que se ouve; letra é aquilo que se vê.

Classificação dos fonemas.

Os fonemas dividem-se em vogais e consoantes. Existem, também, os chamados semivogais. Não existem letras vogais ou consoantes. Esta classificação é atribuída aos fonemas. As letras apenas os representam na escrita.

Vogais (a, e, i, o, u): Chamam-se vogais os fonemas que se emitem livremente, sem obstrução à camada de ar expelida dos pulmões. Podem ser orais (grafados sem til, nem seguidos de m ou n) ou nasais (com til ou seguidos de m ou n, quando grafados). As vogais podem ser tônicas (proferidas com maior intensidade) ou átonas (proferidas com menos intensidade).

 

Exemplos:

/a/ = América; /e/ = elétrica.

 Consoantes: trata-se de fonemas que só podem ser emitidos quando há a interferência de algum elemento da boca (dentes, língua, lábios); ao serem pronunciados, somam-se aos fonemas /a/ ou /e/, por isso ditos consoantes (com + soantes).

 

Exemplos:

/b/ = beleza; /t/ = Teresa.

Semivogais: são fonemas intermediários, nem totalmente livres (como os vogais), nem totalmente obstruídos (como os consonantais). Geralmente são o /w/, representado principalmente pelas letras o e u e o /y/, representado principalmente pelas letras e e i, quando formam sílaba com os fonemas vogais. O fonema semivogal é sempre átono, quer dizer, pronunciado com menos intensidade que o vogal com o qual forma a sílaba.

 

Exemplos:

a-cei-tou

Na sílaba cei, o i é pronunciado com menos força que a vogal. Na sílaba tou, o u é pronunciado com menos força que a vogal o. Esses dois fonemas, i e u, funcionam, portanto, como semivogais.

É importante saber que a classificação dos fonemas é variável. Se forem a base da sílaba, funcionam como vogal, mas se estiverem ligados a uma vogal, funcionam como semivogal.

Exemplos:

ti-me

O i é uma vogal, sendo a base da sílaba.

cai-xa

O i é uma semivogal, ligada à vogal a.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- O Alfabeto
- Maiúsculas e Minúsculas
- Fonemas e sua Classificação
- Dígrafos
- Dífonos
- Noção de sílaba
- Encontros Vocálicos
Assine login Questões para o Enem image