Empirismo

EMPIRISMO

No século XVII, no plano religioso e artístico, houve uma generalizada intolerância e fanatismo derivados dos conflitos entre católicos e protestantes. Entretanto, no plano científico e filosófico, assistiu-se ao desabrochar de novas maneiras de pensar que podem ser vistas como herdeiras do período renascentista.

Essa maneira “moderna” de pensar não consiste apenas em negar os dogmas e modelos medievais, mas fundamenta-se na ideia positiva de que a norma da descoberta e da interpretação da Ciência é a experiência e não a autoridade. Dada essa premissa, a atividade científica deixará de ser uma mera observação e classificação dos fenômenos e passará a se preocupar com a determinação das leis que regem os fenômenos. É exatamente essa atividade da Ciência experimental e seu método de trabalho (a análise) que alimentaram a atividade filosófica do século XVII.

Empirismo – é a teoria que a origem de todo conhecimento advém da experiência sensorial.  

Esses novos métodos de investigação científica tiveram em Francis Bacon (autor de Novum Organum, publicado em 1620) um de seus iniciadores e, seguramente, um de seus principais formuladores. Ele afirmou que a partir das experiências, podem-se inferir leis gerais dos fenômenos. Dessa forma, fundou o Empirismo.

O Empirismo é um movimento filosófico que cresceu, principalmente na Inglaterra, durante o Iluminismo dos séculos XVII e XVIII. Destacam-se os filósofos ingleses – Thomas Hobbes, John Locke, George Berkeley e David Hume.

Empirismo

O Empirismo é a teoria que a origem de todo conhecimento advém da experiência sensorial

Essa teoria enfatiza o papel da experiência e da evidência, especialmente o da percepção sensorial, na formação de ideias. O Empirismo defende a ideia de que o único conhecimento que os seres humanos podem ter é a posteriori (isto é, baseado em experiências). A maioria dos empiristas desconsidera o conceito de ideias inatas – o conceito de que a mente nasce com ideias e conhecimentos em vez de nascer como uma “tabula rasa” a ser preenchida.

O Empirismo ensina que para se construir um corpo de conhecimento mais complexo por meio de observações diretas, deve-se empregar o processo de indução. A indução é o raciocínio que, após considerar um número suficiente de casos particulares, conclui uma verdade geral. Esse tipo de conhecimento é também denominado conhecimento empírico indireto.

A Ciência Moderna e o Método Científico são considerados metodologias empíricas, pois dependem da metodologia indutiva para fins de investigação científica.

O Empirismo é contrastado com o Racionalismo – a teoria de que a mente pode apreender algumas verdades diretamente, sem necessitar dos sentidos. O Racionalismo firmou raízes na Europa Continental na mesma época em que se difundiu o Empirismo, por meio das obras de Descartes, Leibniz e Espinosa, entre outros. Locke, Berkeley e Hume vigorosamente defendiam o Empirismo contra as teorias dos Racionalistas. 

Filósofos

Thomas Hobbes

Thomas Hobbes (1588-1679), filósofo inglês do século XVII, fundou os estudos iniciais das Ciências Políticas. Após presenciar os horrores da Guerra Civil Inglesa, Hobbes concluiu que os conflitos fazem parte da natureza humana e que com a ausência de governantes haveria "guerra de todos contra todos".

Em seu livro Leviatã ou a essência, forma e poder de uma comunidade eclesiástica e civil (1651), Hobbes abandonou a ideologia religiosa para justificar o absolutismo. Hobbes descreveu que para evitar conflitos contínuos, as pessoas deveriam abrir mão de seus direitos e cedê-los a fortes governantes que garantiriam a lei e a ordem. Sua doutrina do "contrato" afirma que em "estado natural", os homens lutam entre si. Então, para sobreviverem, renunciam a seus "direitos naturais" por meio de um contrato tácito, transferindo-os ao estado, cuja soberania sobre os súditos é, assim, absoluta, indivisível e irrevogável.  Hobbes denominou esse acordo entre o povo e seus governantes de Contrato Social.

Thomas Hobbes defendia a ideia de que os homens são naturalmente inaptos para a vida social. Ele argumentou que o ser humano é, por definição, egoísta e que, portanto, um governante precisaria de poder absoluto para manter seus cidadãos sob controle. Ele argumentava que os homens deviam entregar sua liberdade em troca de segurança. Hobbes afirmava que a missão do estado é reprimir o egoísmo e promover a paz. O filósofo acreditava que o Contrato Social se justifica porque os interesses egoístas predominam entre os homens a tal ponto que cada indivíduo possa representar um perigo eminente aos outros.

Hobbes acreditava que independentemente de quão cruel ou injusto fosse um líder, todos os cidadãos deveriam obedecê-lo, pois qualquer rebelião contra o líder político resultaria na formação de uma sociedade sem leis.  Segundo esse filósofo, o Estado está representado da forma mais perfeita pelo rei. Hobbes foi um dos ideólogos do absolutismo Stuart na Inglaterra.

John Locke

John Locke(1632 - 1704), filósofo e ideólogo da Revolução Inglesa, é considerado um dos pais do empirismo inglês e o pai do Liberalismo.

No final do século XVII, na Inglaterra, os fenômenos do acúmulo de propriedade privada e do avanço da burguesia foi expressa nas doutrinas de John Locke. Ao contrário de Hobbes, John Locke não acreditava que os seres humanos são naturalmente egoístas e violentos. Acreditava que o caráter das pessoas era constituído e moldado por suas experiências de vida e que as pessoas poderiam aprender e se auto aperfeiçoar por meio de experiências passadas. Locke era partidário da ideia de autogoverno.

Segundo Locke, todas as pessoas nascem livres, iguais e imbuídas de três direitos naturais - vida, liberdade e propriedade. Ele afirmava que o propósito do governo é proteger tais direitos, e caso venha a falhar, os cidadãos têm o direito de removê-lo do poder.

A premissa de Locke era que a finalidade da política é a busca da felicidade, que reside na paz, na harmonia e na segurança. Segundo o filósofo, os homens saíram do estado natural para o de sociedade civil com a finalidade de garantir a propriedade privada, base da propriedade geral, por meio do livre contrato entre governantes. De acordo com essa perspectiva, o poder supremo deve ser concentrado nas mãos do Legislativo, que é o poder representativo da sociedade. Para Locke, o Absolutismo que consiste na concentração do poder nas mãos do Executivo é um fenômeno antinatural.

A obra de Locke é a sistematização da defesa da propriedade privada e do Estado burguês, além de ser a afirmação do individualismo, da tolerância e da liberdade religiosa, sem as quais não seria possível o progresso econômico e científico.


John Locke

A teoria de Locke teve grande influência sobre o pensamento político moderno. Sua afirmação de que o poder de um governo provém do consentimento de seu povo é o pilar da democracia moderna. As ideias de que o governo deve ser eleito baseado no consentimento popular e de que as pessoas têm o direito de se rebelar contra líderes injustos, inspiraram as lutas por liberdade na Europa e nas Américas. Essas ideias, expressas sobretudo na obra Ensaios sobre o Governo Civil, publicada em 1695, foram desenvolvidas no século XVIII e postas em prática na Revolução Francesa e na luta por independência dos Estados Unidos.

Tabula Rasa

John Locke acreditava que todas as nossas ideias derivam da experiência.

Locke postulava, em contraste à filosofia cristã, que a mente era uma "tabula rasa" em que experiências passadas deixavam suas marcas. Ele negava o conceito de que os seres humanos possuem ideias inatas ou que algo possa ser apreendido na ausência da experiência.

Ele argumentava que nossas ideias, tanto as simples como as complexas, derivam de nossas experiências e de nossos sentidos. Afirmava que o conhecimento que se pode adquirir é, portanto, bastante limitado e que nunca podemos compreender a natureza interna do que nos rodeia: podemos apenas compreender seu comportamento e o efeito exercido sobre nós e sobre as outras coisas. Por meio de nossos sentidos, conhecemos as propriedades e as qualidades do mundo externo. 

A diferença fundamental entre os ensinamentos de Locke e os de Descartes e dos filósofos que o precederam resume-se à importância que é dada aos sentidos. Descartes afirmava que os sentidos nos levam a certas crenças, mas que isso, por si só, não equivale ao próprio conhecimento. Descartes acreditava que o conhecimento necessita de interpretações e explicações, providos por meio da razão e do intelecto. Para Locke, porém, os sentidos são uma capacidade básica e fundamental que levam ao conhecimento.

Contudo, Locke acreditava que certos conhecimentos (o conhecimento sobre a existência de Deus, por exemplo) podem ser alcançados por meio de intuição e da razão.

Sumário

- Empirismo
- Filósofos
i. Thomas Hobbes
ii. John Locke
iii. George Berkeley
iv. David Hume
Assine login Questões para o Enem image