Interpretando Arte

Interpretando Arte

Esta aula não é uma introdução completa para aprender a interpretar a Arte, mas deve ajudar o aluno a começar a apreciá-la. Compreender e interpretar o significado transmitido por um quadro ou por uma obra de arte é um assunto frequentemente testado em vestibulares e no Enem. É também culturalmente enriquecedor. O processo envolve emoções e pensamentos que surgem em reposta à obra de arte.

A Arte deve, antes de mais nada, atrair-nos pelos sentidos. Isso não significa que uma pintura precisa ser bela para ser boa, e sim, que deve atrair a atenção das pessoas de alguma forma. A obra pode ser chamativa graças ao assunto, ao uso de cores, à sua aparência realista ou a uma série de outros fatores.

Algumas pessoas dedicam a vida a estudar os mínimos detalhes das obras de um artista. Mas não é necessário se tornar um perito para formar um relacionamento significativo com a Arte. Quanto mais se estuda, melhor se torna a experiência, mas não é necessário saber muito para conseguir apreciar e compreender uma obra de arte.

Adquirir uma compreensão básica sobre a Arte não é difícil. Requer apenas uma certa atenção aos detalhes, um pouco de conhecimento sobre História e História da Arte e a disposição para pensar e refletir sobre seus próprios sentimentos.

O papel do artista

Para entender a função e o objetivo de uma obra de arte, deve-se considerar os quatro papéis tradicionais desempenhados pelo artista.

  1. Registrar o mundo.
  2. Prover uma forma visível ou tangível aos sentimentos
  3. Revelar verdades ocultas ou universais.
  4. Ajudar-nos a enxergar o mundo de uma forma nova ou inovadora.

A arte é um registro do pensamento e das crenças das sociedades em várias épocas.

Como analisar uma pintura

Em uma obra de arte, os objetos ou os assuntos são apresentados de forma em que seja possível transmitir um significado além do literal. É importante notar que um pintor se comunica com o público por meio de uma lona. Diferentemente de um filme ou livro, a informação e a mensagem estão limitadas à uma única imagem. Em uma pintura, considera-se o que é retratado – o assunto – e quanto bem o artista utilizou elementos de composição, como formas, cores, espaço, luzes, tom, etc. O observador pode decodificar os símbolos e inferir suas mensagens. Por exemplo, cores pálidas e linhas muito finas podem transmitir um senso de delicadeza.

As pessoas reagem instantaneamente a pinturas. Contudo, essa reação imediata se desenvolve em uma reação pessoal mais completa à medida que se examina e se explora a obra. Reagir significa fazer conexões. Tais conexões podem ser diversas – por exemplo, fazer a ligação entre um objeto ou gesto com seus significados ou seu contexto histórico. Parte da reação é pessoal e pode estar ligada a experiências passadas e a memórias.

Quando se interpreta uma obra de arte, fazem-se vários tipos de perguntas – sobre o artista e sobre a obra e seu contexto histórico.

Qual o assunto de uma pintura?

Após observar o quadro e obter uma visão geral dele, pergunte a si mesmo qual o tema da pintura. O que ela transmite? O tema pode ser uma paisagem, uma pessoa, um grupo de pessoas, uma cena de uma história, um edifício, um animal ou um ser inanimado, como uma cesta de frutas, um vaso de flores, etc.

Há pessoas no quadro? Se há, quem são elas? Às vezes, as pinturas ilustram uma história. Esta pode ser histórica ou pode advir de textos literários, como a Bíblia e a mitologia grega. Você consegue identificar a história? Examine os personagens da pintura e descreva seus atos e atitudes.

Um exemplo é a Última Ceia de Leonardo de Vinci. Você consegue identificar o assunto?

Última Ceia
Última Ceia (1495–98)

A pintura retrata a cena da última ceia de Jesus com seus discípulos. Da Vinci retratou o sentimento de consternação que os Doze Discípulos sentiram quando Jesus anunciou que um deles o trairia. Da Vinci retratou um momento de alta tensão e de emoções ao demonstrar os gestos, as expressões faciais e as poses dos discípulos. A última ceia já havia sido pintada por muitos artistas, mas a versão de Da Vinci é a mais famosa de todas.

Algumas pinturas recentes não contam nenhuma história, pois são abstratas ou não representacionais.  Muitas das pinturas famosas dos séculos XX e XXI são abstratas – brincam com a forma e a cor e até com a qualidade da tinta, em vez de representar a realidade. Contudo, é importante ressaltar que o assunto de uma pintura pode ser qualquer coisa – um lugar ou até mesmo uma emoção.

Símbolos nas obras de arte

Em muitos casos, uma pintura inclui símbolos bastante claros. Um símbolo é algo que significa outra coisa. Observe os símbolos em uma pintura: podem ser símbolos religiosos ou símbolos de conceitos como a injustiça, a pobreza, a morte, a riqueza, a felicidade, o nascimento, o passar do tempo, etc.

Por exemplo, o famoso pintor surrealista Salvador Dali é conhecido por ter pintado relógios derretendo. Estes são um símbolo da passagem e da relatividade do tempo.

Salvador Dali
A Persistência da Memória  (1931)

O estilo da pintura

O estilo precisa ser levado em consideração, pois ele é, essencialmente, a marca da criatividade individual que artista registra na tela. Como é que cada elemento técnico contribui para o tom, para o significado e para a sensação estética de cada obra de arte? A cor, a luz, a sombra, a textura, as pinceladas, os formatos, as linhas, o volume, a modelagem, a proporção, a perspectiva ou construção especial e a composição são formas de discutir como o artista transmitiu um assunto, dando a ele sua interpretação pessoal. O estilo é a soma das características formais de uma obra de arte. Uma análise de qualquer obra de arte por meio dessas características formais é denominada análise formal.

Deve-se analisar o motivo por trás das escolhas do artista: a técnica e os materiais que utilizou, o tema que transmite e como tudo isso está relacionado ao objetivo do artista em produzir a obra de arte.

estilo pessoal e há também estilo da época. Alguns artistas seguem os estilos tradicionais. Já outros objetivam produzir algo diferente e desafiador. Por exemplo, muitas obras do Renascimento parecem ser muito parecidas, umas com as outras, para um leigo. Mas um historiador da Arte consegue observar uma pintura que nunca viu antes e saber identificar quando e onde foi produzida.

Fatos Históricos

Há outras informações que devem ser consideradas: o nome do artista, o título da obra de arte, declarações feitas pelo artista e o contexto histórico e cultural da obra de arte.

Em certos casos, tais informações foram documentadas. No caso da arte da antiga Grécia, por exemplo, quase não há documentos. Contudo, pode-se determinar a cronologia das obras de arte desse período por meio dos princípios do desenvolvimento artístico e cronologia relativa. Com efeito, antes do século XVIII, as pinturas eram raramente assinadas.

Perguntas como “quando foi pintada essa pintura?”, “Qual seu local de origem?”, “Será que alguém a encomendou?” são relevantes. Conhecer a história do artista e de sua obra ajuda na compreensão do significado de seu trabalho. Em certos casos, uma obra de arte foi paga por alguém: pode ter sido um patrono das artes, um Papa, um rei ou um indivíduo particular. Também é possível que o pintor tenha feito a obra sem que ela tivesse sido encomendada.

Ao analisar uma obra de arte, deve-se pergunta o que ela transmite a respeito da época e do lugar em que foi feita. Quais eram os valores humanos? O que era importante para a sociedade? O que significava para eles ser humano? O que eles achavam que a arte deveria ser?

Esses tipos de pergunta nos ajudam a compreender melhor uma obra de arte. Os historiadores da Arte acreditam que as obras de arte são janelas para o passado, isto é, que fornecem informações sobre o modo de vida de certa época que nenhum outro tipo de evidência histórica pode fornecer. Vale ressaltar que um historiador da Arte é um historiador: ele busca informações sobre o passado. A Arte é a forma de ele estudar História: é sua fonte de pesquisa. Exemplificando: as obras de arte produzidas durante a Contrarreforma Católica, no século XVII, ensinam muito sobre os debates políticos e religiosos que ocorriam na Europa em tal época.

Qual a sua reação emocional à obra de arte?

A Arte evoca emoções. Os artistas se esforçam para inspirar fortes emoções nas pessoas, como admiração, desejo, ódio, desprezo, alegria, etc. Já que sabemos que um dos objetivos do artista é o de causar reações emocionais nos espectadores, devemos refletir sobre o tipo de reação que uma obra de arte evoca em nós. Devemos perguntar que tipo de mensagem o artista está tentando transmitir por meio de sua obra.

Evocar sentimentos e emoções nas pessoas é um dos principais objetivos do artista. Se uma obra de arte o faz sentir raiva, tente identificar o motivo. Por que a obra o perturba? Por que você acha que o artista objetivava perturbar as pessoas por meio de seu trabalho? Por outro lado, se a obra o faz sentir feliz, tente identificar o motivo. O que há nela que fomenta tal sentimento? É importante refletir sobre as emoções geradas por uma obra de arte.

Sumário

- O papel do artista
- Como analisar uma pintura
i. Qual o assunto de uma pintura?
ii. Símbolos nas obras de arte
iii. O estilo da pintura
iv. Fatos Históricos
v. Reação emocional à obra de arte?
- Analisando alguns quadros famosos
Assine login Questões para o Enem image