Tecidos Vegetais

Os Meristemas

Os tecidos dos vegetais podem originar-se a partir de meristemas primários e secundários (do grego, merizein = repartir, dividir-se).

Os meristemas primários são aqueles originados a partir das células embrionárias da semente e recebem nomes de acordo com os futuros tecidos a que darão origem.           

Meristemas primários

Protoderme (dermatogênio) - origina a epiderme, que reveste e protege todo o corpo da planta, impede a perda excessiva de água e permite troca de gases necessários à respiração e à fotossíntese.

Meristema fundamental: pleroma, que será empregado para a formação do cilindro central. Da camada que fica entre o pleroma e o dermatogênio, isto é, o periblema, resultará, mais tarde, a casca.

Procâmbio - origina os tecidos condutores primários, que compreende o xilema ou o lenho, e o floema ou líber.

Meristemas secundários

Os meristemas secundários são originados a partir da desdiferenciação de células adultas.

Felogênio - ocorre no córtex, originando o súber para fora e a feloderme para dentro.

Câmbio interfascicular - ocorre no cilindro central, originando o floema para fora e o xilema para dentro.

Os tecidos meristemáticos são formados por células indiferenciadas e caracterizadas por serem pequenas, de paredes finas, com vacúolos minúsculos ou ausentes, núcleos relativamente grandes e muito protoplasma. Elas têm a capacidade de efetuar mitoses.

As novas células resultantes dessas mitoses aumentam em volume (elongamento ou distensão) e proporcionam o crescimento dos órgãos onde se encontram.

Crescimento primário da planta

É o resultado da atividade dos meristemas primários localizados nas extremidades da planta (meristemas apicais). São eles: protoderme, meristema fundamental e procâmbio.

Crescimento secundário da planta

Resulta da atividade do felogênio, do câmbio fascicular (que é meristema primário) e do câmbio interfascicular (que é meristema secundário).

O crescimento secundário aumenta a espessura (diâmetro). Ocorre nas gimnospermas e na maioria das dicotiledôneas. Este aumento em espessura ou circunferência do corpo da planta - crescimento secundário - resulta da atividade de dois meristemas laterais, o câmbio vascular e o câmbio da casca (felogênio).

Quando a expansão do caule em espessura é acentuada, as camadas suberificadas (cortiça), que ficam voltadas para fora, rompem-se e descamam. É o ritidoma.

Sumário

- Os meristemas
i. Meristemas primários
ii. Meristemas secundários
iii. Crescimento primário da planta
iv. Crescimento secundário da planta
- Os parênquimas
i. Tipos de parênquimas
- Plasmodesmos
- Sistema tegumentar
- Estruturas anexas mais comuns na epiderme
- Os tecidos secretores
i. Nectários
ii. Tubos laticíferos
iii. Canais resiníferos
iv. Bolsas secretoras
v. Cristais
- Tecidos de sustentação
i. Colênquima
ii. Esclerênquima
- Sistema vascular: xilema e floema
Assine login Questões de Vestibular image Questões para o Enem image