Objeto Direto e Indireto / Agente da Passiva / Complemento Nominal

Estudamos que há verbos que não têm sentido completo e que, portanto, pedem um complemento, chamado complemento verbal. O mesmo ocorre com alguns nomes - substantivos e adjetivos - que pedem um complemento nominal. Os verbos pedem três tipos de complementos - objeto direto, objeto indireto e agente da passiva. Os nomes pedem apenas o complemento nominal.

Objeto direto e indireto

1. Objeto direto: é o termo da oração que completa a significação de um verbo transitivo direto sem necessitar de preposição.

Exemplo:

O objeto direto também completa o sentido de um verbo transitivo direto e indireto.

Exemplo:

Se o objeto direto for representado por uma oração, haverá oração substantiva objetiva direta. É substantiva porque somente o substantivo pode exercer a função de objeto direto.

Exemplo:

Quero que você estude.

2. Objeto indireto: é o termo da oração que completa a significação de um verbo transitivo indireto necessitando de preposição.

Exemplo:

Se o objeto indireto for representado por uma oração, haverá oração substantiva objetiva indireta. É substantiva porque somente o substantivo pode exercer a função de objeto indireto.

Exemplo:

Concordo (com) que você trabalhe. (Observe que a preposição com está subentendida.)

Os objetos podem ser representados por:

a) um substantivo:

Exemplo:

b) um pronome substantivo:

Exemplo:

c) um numeral:

Exemplo:

d) uma palavra substantivada:

Exemplo:

e) uma oração subordinada:

Exemplo:

Objeto formado por um pronome oblíquo

Os pronomes oblíquos geralmente assumem a função de complementos verbais (objeto direto e objeto indireto). Os pronomes oblíquos o, a, os, as, quando complementos do verbo, funcionam como objeto direto. Os pronomes lhe, lhes funcionam como objeto indireto. Os demais pronomes oblíquos (me, te, se, nos, vos) podem exercer a função de objeto direto ou de objeto indireto.

Para substituir o objeto direto de 3ª pessoa, devemos usar as formas o (s), a (s), lo (s), la (s), no (s), na (s).  Nunca a forma lhe (s).

 

As formas pronominais o e a variam para -lo e -la, quando estiverem colocadas depois de verbos que terminem com as letras r, s, z. Neste caso, eliminam-se tais letras. Mas lembre-se que no falar diário tais formas não são usadas; fica muito pedante. Devemos conhecer estes usos apenas para aplicá-los a uma linguagem especial, culta.

 
 

Exemplo:

Esta é a casa de meus sonhos. Vou comprá-la, sem dúvida. Reformá-la-ei para meu próprio uso. Meus empregados preparam-na para meu conforto.

2. As formas pronominais -no e -na são usadas depois de verbos que terminem em sons nasais, ou seja, em am, em, ão ou õe.

 

O pronome lhe nunca substitui objeto direto! Ele é usado para substituir o objeto indireto.

Exemplo:

Entreguei a carta ao mensageiro. (objeto indireto)
Entreguei-lhe a carta.

 

Os pronomes oblíquos átonos me, te, se, nos e vos tanto podem exercer a função de objeto direto quanto a de objeto indireto. Isto depende da regência verbal, ou seja, é necessário perceber a exigência do verbo. Todavia, fica fácil identificar essas funções. Vamos aplicar um "jeitinho" infalível? Na dúvida, retire o pronome oblíquo e em seu lugar use a expressão "o garoto" para identificar o objeto direto e "ao garoto", para identificar o objeto indireto.

Exemplos:

Ela me ama. (Ela ama o garoto? - objeto direto)
Ela me entrega a encomenda. (Ela entrega a encomenda ao garoto. - objeto indireto)

 
 

Observação:

Você pode aplicar essa substituição para descobrir a função sintática de qualquer pronome deste grupo.



Objeto Direto Preposicionado

Como estudamos anteriormente, o objeto direto é o termo da oração que completa a significação de um verbo transitivo direto sem necessitar de uma preposição.

Há casos em que o objeto pode ser antecedido por uma preposição. Esta, porém, não é obrigatória.

Exemplos:

Lembre-se que o objeto indireto é complemento do verbo transitivo indireto. Já o objeto direto preposicionado é complemento de verbo transitivo direto.

Objeto Pleonástico

Muitas vezes, com o objetivo de dar ênfase, é antecipado o objeto, colocando-o no início da frase e, depois ele é repetido através de um pronome oblíquo. Objeto pleonástico é o nome dado a esse objeto repetido.

Exemplos:

Objeto Direto Interno

Quando o objeto direto for representado por uma palavra que possui o mesmo radical do verbo que ele completa, receberá o nome de objeto direto interno.

Exemplos:

Observação:

O núcleo do objeto direto interno deverá estar sempre especificado por um adjunto; caso contrário, pode haver pleonasmo.