Concordância Verbal e Nominal

CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL

A sintaxe de concordância trata da harmonização entre as partes do discurso, afinal, expressão no singular exigirá no singular as que a ela se referem, termo no plural exigirá outros no plural e assim por diante. As regras de concordância dividem-se em dois grupos: nominal - o sistema de concordância do artigo, do adjetivo, do pronome e do numeral com o substantivo a que se referem - e verbal - a concordância do verbo com seu sujeito.

Concordância Nominal

Regras de concordância nominal

1. Quando o adjetivo modifica dois ou mais substantivos do mesmo número (ambos estão no singular), o adjetivo pode concordar com o substantivo mais próximo ou ir ao plural, concordando com os dois substantivos.

Exemplo:

Essa regra de concordância também se dá quando os substantivos são de gênero e número diferentes.

Exemplo:

 

2. Quando o adjetivo modifica dois ou mais substantivos do mesmo número, mas de gêneros diferentes, o adjetivo vai ao masculino plural ou concorda com o mais próximo.

Exemplo:

 

3. Quando o adjetivo aparecer antes dos substantivos, concordará com o mais próximo.

Exemplos:

Vi belos pássaros e flores.

ou

Vi belas flores e pássaros.

4. Quando o adjetivo se refere apenas ao último substantivo, só com ele concorda.

Exemplos:

Comprei relógio e carne assada. (concorda com o substantivo mais próximo: carne)

Observação: o adjetivo obviamente se refere ao substantivo carne, pois não há relógio assado.

5. Quando o adjetivo exerce a função sintática de predicativo (tanto do sujeito quanto do objeto), prevalecerá o masculino plural quando os substantivos forem de gêneros diferentes.

Exemplos:

Encontrei mortos o boi e a vaca.
Encontrei mortos a vaca e o boi.

6. Quando dois ou mais adjetivos modificam um mesmo substantivo, o substantivo vai ao plural.

Exemplos:

- os governos federal, estadual e municipal

- as atletas americana e francesa

Contudo, se o artigo for repetido antes de cada adjetivo, o substantivo permanece no singular.

Exemplos:

- o governo federal e o estadual

- a atleta americana e a francesa

7. Artigo, adjetivo, numeral e pronome concordam em gênero e número com o substantivo a que se referem.

Exemplo:

Os meus dois belos cães de caça morreram asfixiados. 

Outros Casos

8. Concordância de mesmo, próprio, só, bastante, meio, anexo, incluso e obrigado.

Essas palavras concordam em gênero e número com a palavra a que se referem. Só ficam invariáveis se forem advérbios. Caso contrário, fazem concordância com o nome a que se referem.

Exemplos:

Paulo mesmo deu-nos a notícia.

Eles próprios assinaram os documentos.

A própria Camila, sim! Ela mesma esteve aqui ontem.

Eles sós (=sozinhos) nada conseguem.

Havia na mesa frutas bastantes para os convidados.

Comprei duas meias maçãs e dois meios pães.

Há bilhetes inclusos, cartas anexas, além disso, estão inclusas as passagens.

Disseram-nos as garotas: - Muito obrigadas! Respondeu-lhes o professor: - Muitíssimo obrigado fico eu!

Observação: Os advérbios, locuções adverbiais e conjunções ficam invariáveis, como se pode ver nos exemplos que seguem:

Elas, mesmo empobrecidas, mantêm a dignidade.

Aqueles homens trabalham.

Falam bastante as minhas irmãs.

As garotas ficaram meio tristes com a notícia.

Seguem, em anexo, as cópias do contrato.

Permaneçam alerta!

Comprei duas meias garrafas de refrigerante.

Já lhe trouxe bastantes provas de minha sinceridade.

9. Concordância de possível.

A palavra possível concorda com a expressão intensificadora: o mais, a mais, os mais, as mais. Se a expressão for os/as mais, a palavra possível ficará no plural.

Exemplos:

Vi casas o mais luxuosas possível.
Vi casas as mais luxuosas possíveis.

10. Expressões é pouco, é bom, é necessário.

Exemplos:

Água é bom.

Cerveja é necessário.

Mas:

A/Esta água é boa.

A/Esta cerveja é necessária.

11. Concordância de um e outro, nem um nem outro.

Exemplos:

Chegaram um e outro aluno dedicados.

Nem uma nem outra mulher bonitas aproximou-se de nós.

12. Concordância por silepse.

a) de pessoa:

Exemplo:

Os brasileiros ficamos (em lugar de ficaram) boquiabertos.

b) de número:

Exemplo:

O povo choravam (em lugar de chorava) na praça.

c) de gênero:

Exemplo:

Vossa Excelência é atencioso. (em lugar de atenciosa).

Observação: A silepse é uma licença literária, portanto, salvo com os pronomes de tratamento, não devemos praticá-la.

13. Se as palavras designam cor, deve-se observar o seguinte:

a) substantivo não varia.

Exemplo:

Por que você usa camisas laranjas e sapato ouro? 

b) A expressão cor-de... não varia.

São vestidos cor-de-rosa os mais vendidos.

c) Nos compostos, se o segundo elemento for substantivo, não varia. Por exemplo: Elas gostam de casacos verde-água.

d) Nos compostos, se o segundo elemento for adjetivo, segue-se a mesma regra dos adjetivos compostos, isto é, só varia o último elemento. 

Por exemplo: Ela sempre sai com sapatos amarelo-claros e blusas azul-escuras.

Nota:

Azul-marinho e azul-celeste são invariáveis.

CONCORDÂNCIA VERBAL

A concordância verbal trata da flexão do verbo para se combinar com o seu sujeito. O verbo concorda com o sujeito em pessoa e número: 

Regras de concordância verbal

1. Se o sujeito estiver no plural, o verbo o acompanhará, não importando a colocação do verbo na frase.

Exemplos:

2. Mesmo que, depois do sujeito no singular, apareça um adjunto no plural, o verbo continuará no singular. Lembre-se que o verbo sempre concorda com o núcleo do sujeito.

Exemplo:

3. O sujeito coletivo no singular deixa o verbo no singular, mesmo que venha seguido de adjunto no plural.

Exemplo:

4. Nomes próprios acompanhados de artigos no plural exigem o verbo no plural.

Exemplo:

Contudo, se o artigo estiver no singular, ou se não houver artigo, o verbo ficará no singular.

Exemplo:

Minas é um belo estado.

5. Expressões quantitativas (a maioria de, a maior parte de, grande número de, etc.): o verbo ficará, facultativamente, no singular ou plural.

Exemplos:

A maioria das pessoas partiu (ou partiram).

Grande parte dos alunos foi reprovada (ou reprovados).

Expressões que indicam porcentagem:

Quando a porcentagem não é seguida de outra palavra, concorda com o número da porcentagem.

Exemplo:

Dos leitores do jornal, apenas 1% lê a sua coluna.

Quando a porcentagem é seguida de palavra, o verbo concorda com a palavra (singular ou plural).

Exemplos:

6. Quando um pronome no singular estiver seguido das expressões de nós, de vós, de vocês, deles ou delas, o verbo ficará no singular.

Exemplo:

Contudo, se o pronome estiver no plural, o verbo concordará com a expressão que vier depois do pronome:

Exemplos:

7. O pronome quem exige o verbo na 3ª pessoa do singular.

Exemplos:

Hoje sou eu quem escolhe a sobremesa.

Hoje somos nós quem escolhe a sobremesa.

Se, porém, no lugar de quem, aparece que, o verbo deverá concordar com o pronome pessoal antecedente.

Exemplos:

Hoje sou eu que escolho a sobremesa.

Hoje somos nós que escolhemos a sobremesa.

8. Pronomes de tratamento: o verbo deve estar na 3ª pessoa (singular ou plural).

Exemplos:

Você deixou o carro na garagem?

Vossa Excelência está aqui para discutir o fato.

Vossas Excelências desejam mais alguma coisa?

9. Concordância com verbos que se acompanhem da partícula "SE".

a) "SE" COMO ÍNDICE DE INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO: o verbo permanecerá na terceira pessoa do singular, já que o sujeito será indeterminado:

Exemplos:

Crê-se em pessoas dignas. (verbo transitivo indireto)

Fica-se grato. (verbo de ligação)

b) "SE" COMO PARTÍCULA APASSIVADORA: O verbo concordará com o sujeito paciente.

Exemplos:

Procura-se um ideal na vida. (um ideal - sujeito paciente)

Procuram-se alguns ideais na vida. (alguns ideais - sujeito paciente)

10. A expressão um dos que exige o verbo no plural.

Exemplo:

Ele foi um dos que trabalhavam até tarde.

11. A expressão um + substantivo + que: o verbo fica na 3ª pessoa do singular

Exemplo:

Foi um escritor que escreveu muito.

12. Fazer, quando indica tempo (cronológico ou meteorológico), não varia.

Exemplos:

Faz muito calor aqui.

Faz frio.

Fazia dez meses que não nos víamos.

13. Haver, no sentido de existir, não varia.

Exemplos:

Havia ratos no porão.

Houve brigas entre direita e esquerda.

Haverá eleições este ano.

14. Verbos que exprimem fenômenos naturais não variam.

Exemplos:

Chove muito na primavera.

Nevou em Santa Catarina, no inverno passado.

15. O verbo parecer, quando é auxiliar numa locução verbal, sofre flexão. Quando parecer não forma locução verbal, ele é verbo intransitivo e não varia.

Verbo parecer + verbo no infinitivo: apenas um deles pode ir para o plural.

Exemplos:

Os convidados parecem gostar da comida.

Os convidados parece gostarem da comida.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Concordância nominal
i. Regras de concordância nominal
ii. Outros Casos
- Concordância verbal
i. Regras de concordância verbal
- Concordância dos verbos ser
- Concordância do infinitivo
- Concordância verbal com sujeito composto
Assine login Questões a responder image Questões dissertativas image