Ácidos nucleicos

Os ácidos nucleicos são as moléculas responsáveis pela hereditariedade. Os seres vivos apresentam dois tipos de ácidos nucleicos: o ácido desoxirribonucleico (DNA) e o ácido ribonucleico (RNA).

Tanto o DNA como o RNA são macromoléculas constituídas por algumas centenas ou milhares de unidades ligadas entre si. As unidades são chamadas nucleotídeos. Cada nucleotídeo é constituído de 3 partes, um grupo fosfato, ligado a uma pentose (açúcar de 5 carbonos), que por sua vez está ligado a uma base orgânica nitrogenada.

Representação do nucleotídeo

Uma molécula de ácido nucleico é, portanto, uma longa cadeia de nucleotídeos ligados entre si pelos seus grupos fosfatos, sendo que o fosfato, de cada nucleotídeo se liga ao açúcar do nucleotídeo vizinho.   

No nucleotídeo de DNA, o açúcar presente é a desoxirribose. Já no nucleotídeo de RNA, é a ribose.

Cinco são as bases nitrogenadas mais frequentes nos ácidos nucleicos: Adenina, Guanina, Citosina, Timina e Uracila.

Adenina e guanina são bases púricas. Citosina, timina e uracila são bases pirimídicas.

Das cinco bases nitrogenadas, 3 delas são comuns ao DNA e ao RNA: são a adenina, a guanina e a citosina. Já a timina é exclusiva do DNA, enquanto a uracila só se encontra no RNA.

Disso decorre que uma molécula de DNA, por maior que seja terá apenas 4 tipos de nucleotídeos, todos possuindo desoxirribose, no entanto diferindo quanto ao tipo de base. Já numa molécula de RNA, os 4 tipos de nucleotídeos terão a ribose, e uma das 4 bases nitrogenadas.

A ESTRUTURA DA MOLÉCULA DE DNA

Watson e Crick propuseram em 1953 um modelo da molécula de DNA. Este modelo foi confirmado desde então por muitos dados experimentais. Neste modelo, a molécula é constituída por duas cadeias de nucleotídeos. Cada cadeia é composta por vários nucleotídeos ligados uns aos outros pelos fosfatos. Além disso, as duas cadeias estão ligadas uma à outra, pelas suas bases nitrogenadas, através de pontes de hidrogênio. Observe no esquema:

Uma molécula de DNA se assemelha então, a uma escada de corda: nela, fosfatos e pentoses representam os corrimões, enquanto os degraus da escada são representados pelos pares de bases. No entanto, e ainda segundo Watson e Crick, a "escada de corda" se apresentaria torcida, e em forma de dupla hélice, como você pode ver no esquema.

PAPEL BIOLÓGICO DO DNA

AUTODUPLICAÇÃO

As espécies biológicas são muito estáveis quanto às suas características básicas: por exemplo, a espécie humana não mudou apreciavelmente nos últimos milhares de anos. Essa estabilização nas características fundamentais das espécies é conseguida pela transmissão de genes, de geração a geração. Os genes (segmentos da molécula de DNA) "ditam" as características dos organismos. Faz-se necessário então um mecanismo de duplicação dos genes, de tal forma que os destinados aos descendentes sejam idênticos aos dos pais. O DNA tem a capacidade de se autoduplicar (copiar o seu código genético).

Nas divisões celulares (mitoses) mesmo não relacionadas com a reprodução, as células filhas recebem um conjunto de genes idênticos aos da célula mãe; neste caso também, cada molécula de DNA produz uma cópia fiel, ou seja, se autoduplica.

Além de compor a cromatina (cromossomos) nuclear, o DNA aparece nos orgânulos celulares mitocôndrias, cloroplastos e centríolos codificando suas atividades, produção de proteínas e capacidade multiplicativa.

SÍNTESE DE RNA

Outro papel do DNA é sua capacidade de controlar toda e qualquer atividade química da célula. As reações químicas celulares dependem sempre de enzimas. Os genes controlam a produção de enzimas celulares da seguinte maneira: O DNA produz moléculas de RNA, que vão ao citoplasma. No citoplasma o RNA "comanda" a fabricação de uma certa proteína (que por muitas vezes, é uma enzima). A sequência de aminoácidos na proteína depende da sequência do RNA; a sequência do RNA depende da sequência de bases do DNA que o fabricou. Ao pedaço de DNA que contém a informação para a produção de uma proteína chamamos de cístron, que é uma das maneiras de conceituar o gene.

DUPLICAÇÃO DO DNA

Para o DNA se duplicar, há necessidade de uma enzima especial, DNA polimerase. A enzima estando presente ocorrem as seguintes etapas:

 as pontes de hidrogênio que ligam as bases nitrogenadas se rompem, as duas fitas se afastam.

 nucleotídeos livres de DNA, que já existem na célula, se encaixam nas duas fitas que se afastaram. O encaixe só ocorre se as bases forem complementares.

quando as duas fitas originais tiverem sido completadas por nucleotídeos novos, estaremos em presença de duas moléculas de DNA idênticas entre si. Em cada molécula, há um filamento antigo, que pertencia à molécula mãe, e um novo, que se formou a partir do antigo (duplicação semiconservativa).

  • Aulas relacionadas

Sumário

- Ácidos nucleicos
- A estrutura da molécula de DNA
- Papel biológico do DNA
i. Autoduplicação
ii. Síntese de RNA
iii. Duplicação do DNA
- Transcrição
- Tipos de RNA
- Síntese de Proteínas (Tradução)
- Estrutura do Núcleo
i. Carioteca
ii. Suco Nuclear
iii. Nucléolos
iv. Cromatina
Assine login Questões de Revisão image Questões dissertativas image Questões para o Enem image