Ortografia e Acentuação

Um idioma pode manifestar-se de duas maneiras: falado ou escrito. O processo da fala utiliza determinados sons a que chamamos fonemas. Já o processo escrito serve-se das letras. Assim, a fala é um processo oral-auditivo e a escrita é um processo visual (ou táctil). Não se podem confundir os dois casos!

Fonema

Tecnicamente, fonemas são sinais sonoros, mínimos, distintivos entre dois vocábulos como se observa na pronúncia de pata, bata e lata, em que ocorrem os fonemas [p], [b] e [l], respectivamente. A língua portuguesa tem, aproximadamente 33 fonemas.

De uma forma menos teórica, é possível dizer que um fonema é um som mínimo que se agrega a outros para produzir uma palavra falada.

O Alfabeto (Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa)

As letras K, W e Y passaram a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa, que passou a contar com 26 letras, cada uma com uma forma maiúscula e outra minúscula

Forma minúscula Forma maiúscula
a A
b B
c C
d D
e E
f F
g G
h H
i I
j J
k K
l L
m M
n N
o O
p P
q Q
r R
s S
t T
u U
v V
w W
x X
y Y
z Z

Além destas letras, usam-se o ç e os dígrafos RR, SS, ch, lh, nh, gu e qu.

As letras K, Y e W passaram oficialmente a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa. No entanto, seu uso não deve substituir as formas já adaptadas ao português. Não é permitido, por exemplo, escrever "kilo" no lugar de "quilo".

O uso das letras K, W e Y ocorre nos seguintes casos:

a) Nomes próprios de pessoas em línguas estrangeiras.

Exemplos:

Kant, Byron, Kafka, William.

b) Nomes geográficos.

Exemplos:

Kuwait, Malawi.

c) Siglas, símbolos e unidades de medida de uso internacional.

Exemplos:

kW (kilowatt), kg (quilograma), km (quilômetro).

Nomes de países e cidades em outras línguas devem ser grafados em sua forma correspondente em português.

Exemplos:

Nova Iorque, Quebeque.

Já os nomes que não possuem versão em português, como Washington e Los Angeles, devem manter a grafia original.

Os dígrafos finais de origem hebraica ch, ph e th podem conservar-se em formas onomásticas da tradição bíblica, ou então, simplificar-se, como:

Baruch (o ch em hebraico é pronunciado como o j em espanhol) ou Baruc; Loth ou Lot

As consoantes finais grafadas b, c, d, g e t mantêm-se nas formas onomásticas em que o uso as consagrou: Jacob, Job, Isaac, David, Gad.

Maiúsculas e Minúsculas

A letra minúscula é usada para designar nomes de meses (janeiro, fevereiro), de estações do ano (verão, inverno) e de dias da semana (domingo, segunda-feira).

Os pontos cardeais também são escritos com letra minúscula: norte, sul, sudeste, nordeste. No entanto, suas abreviaturas são escritas em letra maiúscula: N (norte), O (oeste). Quando pontos cardeais são utilizados para indicar uma região, eles são escritos com letra maiúscula: Nordeste (região nordeste brasileira).

O uso da letra minúscula é facultativo nos seguintes casos:

a) Citações biográficas (com exceção da primeira palavra e de termos obrigatoriamente grafados com letra maiúscula, como nomes próprios). Por exemplo, "Triste Fim de Policarpo Quaresma" é tão aceitável quanto "Triste fim de Policarpo Quaresma".

b) Formas de tratamento e reverência e nomes sagrados que designam crenças religiosas: senhor doutor Joaquim da Silva (Senhor Doutor Joaquim da Silva) e cardeal João (Cardeal João).

c) Nomes que designam cursos e disciplinas.

Exemplos:

Biologia ou biologia; Português ou português.

A letra maiúscula é usada:

a) em nomes próprios (reais ou fictícios): José; Branca de Neve.

b) em nomes de lugares (reais ou fictícios): Rio de Janeiro; Atlântida.

c) nomes mitológicos: Ulisses.

d) nomes que designam instituições: Instituto de Cultura de Minas Gerais

e) nomes que designam festas ou festividades: Natal; Yom Kipur; Ramadã.

f) títulos de jornais e revistas (que devem ser sempre grafados em itálico): O Estado de São Paulo.

g) siglas e abreviaturas: NATO; Sr.

A letra maiúscula inicial é facultativa em termos de reverência ou formas de tratamento cortês. O uso também é facultativo em inícios de versos e em termos que classificam locais públicos (rua, avenida), assim como templos e edifícios.

Exemplos:

Igreja ou igreja do Bonfim, sinagoga ou Sinagoga Bethel, palácio ou Palácio da Cultura.

Classificação dos fonemas

1. Vogais

São pronunciados livremente, ou seja, não há interferência de nenhum órgão da cavidade bucal (dentes, língua, lábios). São naturais, da voz, propriamente dita, por isto vocais ou vocálicos.

Exemplos:

/a/ = América; /e/ = elétrica.

2. Consoantes

Só podem ser emitidos quando há a interferência de algum elemento da boca (dentes, língua, lábios), ao serem pronunciados, somam-se aos fonemas /a/  ou /e/, por isto ditos consoantes (com + soantes).

Exemplos:

/b/ = beleza; /t/ = Teresa.

3. Semivogais

São fonemas intermediários, nem totalmente livres como os vogais), nem totalmente obstruídos (como os consonantais). Geralmente são o /w/ e o /y/, quando formam sílaba com os fonemas vogais. O fonema semivogal é sempre átono, quer dizer, pronunciado com menos intensidade que o vogal com o qual forma a sílaba.

Exemplos:

cau-te-la =  /kaw/; rui-vo  = /ruy/.

Nota: Não há letra vogal, essa classificação pertence ao fonema! A letra simplesmente representa um fonema que seja vogal, consoante ou semivogal. A representação universal do fonema utiliza o chamado alfabeto fonético internacional e sempre marca os elementos entre duas barras.

Encontros vocálicos

a) Ditongo

Uma sílaba em que ocorre encontro de vogal com semivogal e vice-versa. Por isto o ditongo pode ser crescente (semivogal + vogal) ou decrescente (vogal + semivogal).

Exemplos:

á-gua; he-rói, en-can-tam.

Nota:  Nunca se diz que haja "duas vogais na mesma sílaba". O fonema vogal é o centro de toda sílaba. Os ditongos, assim como os tritongos, são inseparáveis na divisão silábica.

b) Tritongo

É a ocorrência em que uma sílaba apresenta um fonema vogal ladeado por dois fonemas semivogais.

Exemplos:

Pa-ra-guai; en-xá-guam.

c) Hiato

Neste caso há duas sílabas contíguas, formadas, logicamente, por vogais.

Exemplos:

Ce-a-rá, co-o-pe-rar.

Dígrafos e dífonos

Existem casos em que se utilizam duas letras para representar um só fonema: são os dígrafos. Exemplos chuva [x], an-jo [ã], queijo [k]. Outros casos há em que ocorre o emprego de uma só letra, para representar dois fonemas. São chamados dífonos.

Exemplos:

tá-xi  /c/ /s/, sin-ta-xe  /c/ /s/.

Encontros consonantais

Neste caso, a sílaba se forma com o encontro de dois fonemas consoantes.

Exemplos:

pre-ço /p/ /r/,  blo-co  /b/ /l/.

Classificação das palavras quanto ao número de sílabas

Dependendo do número de sílabas as palavras dividem-se em:

Monossílabas

Formadas por uma única sílaba. Tal sílaba pode ser tônica ou átona.

a) Tônicas: Têm autonomia de pronúncia, a intensidade é de sílaba tônica.

Exemplos:

pé, não, teu, pneu, nó, tu, ti, mim, bis, etc.

b) Átonas: Sem autonomia de pronúncia, a intensidade é de sílaba átona.

Exemplos:

me, te, se, lhe, o, a, de, com etc.

Polissílabas

Têm mais de uma sílaba e alguns gramáticos os selecionam em dissílabos, trissílabos, chamando apenas os demais de polissílabos.

Dissílabas

Formadas por duas sílabas. Sempre são oxítonas ou paroxítonas.

Exemplos:

ca-fé, li-tro, pei-xe, Cei-lão, mai-o, etc.

Trissílabas

Formadas de três sílabas. Podem ser oxítonas, paroxítonas ou proparoxítonas.

Exemplos:

já-ca-ré, ca-mi-sa, téc-ni-co, etc.

Polissílabas

Apresentam quatro ou mais sílabas. Podem ser paroxítonas ou proparoxítonas.

Exemplos:

his-tó-ri-co, ca-fe-i-cul-tu-ra, de-sen-vol-ve, etc.

Sumário

- Fonema
- Maiúsculas e Minúsculas
- Classificação das palavras quanto ao número de sílabas
- Acentuação Gráfica
- Regras do Hífen

Assine login Questões a responder image Questões dissertativas image