Feudalismo

Carlos Magno foi capaz de manter seu império unido durante quase 50 anos. Porém, após sua morte em 814 d.C., os nobres locais dividiram-no em vários reinos pequenos.

O filho de Carlos Magno, Luís I, o Piedoso, tentou preservar o império que herdara de seu pai, mas só teve sucesso durante pouco tempo. Após sua morte, em 840 d.C., três de seus filhos concordaram em dividir o império, firmando o Tratado de Verdun, em 843 d.C.

Enquanto decaía o império de Carlos Magno, a Europa era atacada por invasores. Os mais temidos eram os vikings - ancestrais noruegueses, suecos e dinamarqueses. Os vikings eram grandes navegadores e guerreiros ferozes que viajavam em grandes barcos movidos à vela e remo. Alguns vikings viajaram para a Groenlândia e Islândia onde estabeleceram colônias. Os vikings também exploraram a costa nordeste da América do Norte, que denominaram de Vinlândia. Suas explorações nesta região ocorreram 500 anos antes de Cristóvão Colombo chegar às Américas.

Durante o século IX, grupos de vikings conquistaram áreas na costa da Europa Ocidental, dizimando povoados, matando pessoas e incendiando casas. Porém, acabaram tornando-se cristãos e envolvendo-se no comércio local. A partir de então se estabeleceram nas regiões costeiras da Grã-Bretanha, França e sul da Europa.

Os vikings e outros invasores causaram graves danos à Europa. Eles interrompiam o comércio, interferiam na agricultura e destruíam vilas e mosteiros. Como o povo europeu não mais tinha um governante central para garantir sua segurança, eles se submeteram a senhores locais, donos de seus próprios exércitos. A Europa Ocidental entrou em uma era em que os nobres, e não os reis, controlavam o poder.

O Feudalismo

A ausência de um governo central genuíno na Europa resultou na criação de um novo sistema de governo, chamado de feudalismo. No sistema feudal, senhores locais, proprietários de grandes terras, eram os donos do poder. Estes nobres, na tentativa de ganhar mais poder, firmavam alianças com outros nobres menos poderosos: em troca de assistência militar e prestação de outros serviços, um nobre cedia terrenos a outro menos poderoso. O nobre que fornecia a terra era chamado de senhor feudal; aquele que recebia a terra era chamado de vassalo. Essa relação era oficializada em uma cerimônia na qual o vassalo prometia lealdade ao senhor.

Em troca do uso das terras e por segurança, o vassalo concordava em cumprir certas obrigações perante o senhor. Sua principal obrigação era ajudar seu senhor durante batalhas, prestando serviço militar por 40 dias ao ano. O vassalo também se comprometia financeiramente com seu senhor; se o senhor feudal fosse preso por um inimigo, o vassalo se obrigava a pagar o resgate. Quando uma filha de um senhor feudal se casava, o vassalo contribuía financeiramente. Além disso, o vassalo era obrigado a participar de um tribunal de lei, onde se resolviam as disputas entre vassalos ou entre vassalos e senhores feudais.

Feudo

O relacionamento entre o senhor feudal e vassalo era complexo. Um senhor feudal poderia ter vassalos e ao mesmo tempo ser vassalo de outros senhores feudais. Se houvesse uma disputa entre esses senhores feudais, o vassalo teria que escolher a quem apoiar. Poderia ocorrer também que um vassalo cedesse terra a um outro nobre, tornando-se assim um senhor feudal.

A era dos senhores foi uma época marcada por guerras, o que obrigava um senhor feudal a ser um guerreiro habilidoso. Os nobres protegiam seus territórios por meios bélicos. Um jovem nobre era treinado para se tornar cavaleiro. Aprendia a usar uma armadura, montar a cavalo e lutar com espada e lança. Se o jovem comprovasse sua coragem, era nomeado cavaleiro numa cerimônia bastante requintada.


Guerreiros habilidosos

Os cavaleiros buscavam a glória, traduzida no respeito de outros nobres e na admiração das mulheres. Frequentemente participavam de torneios com o intuito de ganhar prêmios e honrarias. Os torneios traziam entretenimento à plateia e serviam como desafios e treinamentos de guerra em tempos de paz.

Por volta do século XII, a nobreza feudal seguia um código de lealdade chamado fidalguia: um verdadeiro cavaleiro deveria lutar bravamente, ser leal a seu senhor, tratar outros cavaleiros com respeito e cortesia, e proteger sua mulher e filhos, bem como os mais fracos. Um cavaleiro deveria ser um bom cristão, honrar a Igreja e defendê-la contra todos os inimigos.

A Igreja reconhecia que a luta entre senhores resultava em desordem e tentava conter o problema proibindo lutas durante certos dias da semana e certas épocas do ano. Estas restrições, porém, nem sempre eram respeitadas.

Os Castelos Feudais e o Sistema Senhorial

Por viverem em época de muitas guerras, os senhores feudais construíam casas fortificadas para resistir a ataques. Os castelos construídos nos anos 900 eram feitos de madeira. Dois séculos depois, eram feitos em pedra e cercados por muralhas e torres de guardas.

O castelo do senhor feudal costumava localizar-se no alto de um morro rochoso ou às margens de um rio. O castelo era isolado de outros prédios, derrubando-se árvores e arbustos para que os guardas pudessem avistar inimigos que se aproximassem. Em volta do castelo havia um fosso: caso um inimigo se aproximasse, a ponte levadiça era erguida e os cavaleiros se deslocavam para os pontos mais altos do castelo.

Castelo Medieval

O castelo também servia de lar para o senhor feudal. Lá viviam todos os membros de sua família, cavaleiros e serviçais. Era composto de quartos, uma cozinha, depósitos e uma capela onde o senhor feudal e sua família rezavam. O aposento mais importante era o grande salão, onde o casal fazia as refeições, relacionavam-se com seus servos e recebiam convidados. Após o jantar - geralmente um banquete - a família e seus convidados eram entretidos por artistas viajantes.

Durante a Idade Média, a mulher era considerada subordinada ao homem. A filha de um nobre normalmente se casava aos 14 anos de idade, muitas vezes com um homem muito mais velho do que ela. Era o pai da noiva quem oficiava a cerimônia.

A senhora do castelo supervisionava os afazeres domésticos, a preparação da comida e dos remédios. Quando seu marido estava ausente, ela dava ordens aos servos e tomava decisões financeiras. Se seu marido fosse capturado por inimigos, ela providenciaria o resgate ou lideraria uma batalha para resgatá-lo. Em algumas regiões da Europa, as mulheres herdavam terras, assim adquirindo poder.

O Sistema Feudal

Nos últimos anos do Império Romano, os camponeses que não tinham fazendas próprias passaram a trabalhar para proprietários de terras. No início da Idade Média, poucos camponeses eram proprietários das terras em que trabalhavam. A grande maioria deles era composta de servos - pessoas que não tinham liberdade de sair da região onde haviam nascido. Eles viviam em pequenos vilarejos, nos feudos, pertencentes aos senhores feudais.

O feudalismo era o sistema político da Idade Média e o feudo, o seu sistema econômico. O sistema feudal era baseado em direitos e obrigações entre senhores e seus servos. O senhor dava ao servo, moradia, terra para cultivo e proteção contra bandidos. Em troca, os servos cultivavam a terra de seu senhor, cuidavam dos animais e faziam outros trabalhos no feudo.

Cada senhor feudal possuía pelo menos um feudo; os mais ricos possuíam vários. A Igreja também era proprietária de feudos. Como nem os nobres nem o clero realizavam trabalho manual, a manutenção do feudo era feita pelos servos. Normalmente, de 15 a 30 famílias viviam no vilarejo do feudo. Além das cabanas onde viviam os servos, o vilarejo continha o castelo do senhor, a igreja e os centros de trabalho. Os vilarejos eram rodeados por campos, pastos e florestas.

Em um único feudo eram muitos os bens e serviços produzidos. Os servos eram fazendeiros, carpinteiros e pedreiros. Alguns eram ferreiros e fabricavam armas para os cavaleiros e ferramentas para uso no feudo. As mulheres costumavam trabalhar em tecelagem. Um padre ocupava-se das necessidades religiosas do povo. O comércio, porém, era limitado; um feudo era geralmente autossuficiente, produzindo tudo o que consumia.

A vida dos servos era de obrigações: cultivavam as terras e repassavam quase toda a colheita aos senhores feudais. Davam-lhes, também, parte da colheita de suas próprias terras. Cada servo trabalhava três dias por semana exclusivamente para o senhor feudal.

Os servos não podiam deixar o feudo sem antes obter permissão do senhor. Este poderia até mesmo decidir com quem o servo deveria desposar. Se o servo se recusasse a se casar com a pessoa indicada, ele era obrigado a pagar uma indenização ao senhor.

Mesmo que os servos não fossem totalmente livres, não eram escravos, tampouco. Tinham certos direitos e seus filhos não lhes podiam ser tomados. Desde que exercessem suas obrigações perante o senhor feudal, poderiam continuar vivendo em suas cabanas e cultivar suas terras. Se um senhor feudal tentasse anular seus direitos, eles poderiam recusar-se a trabalhar, em protesto.

Contudo, a vida do servo não era fácil. Viviam em cabanas lotadas, que possuíam apenas um ou dois quartos, bem mal construídos. Suas refeições eram simples, consistindo apenas de verduras, pão, queijo e sopa; leite e manteiga eram considerados luxo. Os animais selvagens das florestas pertenciam exclusivamente aos senhores e, portanto, os servos eram proibidos de caçá-los. Sua vida era difícil e cansativa; homens e mulheres tinham que trabalhar no campo, durante o dia inteiro. Além disso, sofriam muito quando havia batalhas entre os nobres.

No entanto, apesar do árduo trabalho, a vida de um servo incluía prazeres. Atores e animadores frequentemente visitavam os feudos e faziam apresentações também para os servos. Praticavam, também, alguns esportes. Durante feriados religiosos, reuniam-se em frente à igreja para cantar e dançar.

Rebeliões de servos não eram frequentes, até o século XIV. Pois, apesar da falta de liberdade e oportunidades, os senhores feudais lhes proviam certa segurança. Alguns servos conseguiam ingressar no clero e se tornar bispos. Os que mostravam grande habilidade e coragem para batalhas se tornavam cavaleiros. A maioria dos servos, todavia, raramente deixava seu feudo e possuía pouco conhecimento do mundo exterior. A Europa da época era perigosa e, com isso, as viagens eram raras. Assim sendo, os servos se firmavam em determinado feudo, onde passavam toda a sua vida.

  • Aulas relacionadas

Sumário

- O Feudalismo
- Os Castelos Feudais e o Sistema Senhorial
- O Sistema Feudal
Assine login Questões a responder image