Sistema nervoso central - Sistema nervoso periférico

Sistema Nervoso - Nervos e gânglios nervosos

Sistema nervoso central

O sistema nervoso central (SNC), no homem, está formado pelo encéfalo e medula espinhal. O SNC se comunica com as diversas partes do corpo através do sistema nervoso periférico (SNP), constituído por nervos cranianos (12 pares) e raquidianos (31 pares) e também pelos gânglios nervosos.

Sistema nervoso em vertebrados

divisão

componentes

funções

sistema nervoso central

- SNC -

encéfalo

cérebro

processamento e integração de informações

cerebelo

bulbo raquidiano

medula espinhal

sistema nervoso periférico

- SNP -

nervos

cranianos (12 pares)

condução de informações entre órgãos receptores de estímulos, o SNC e órgãos efetuadores (músculos, glândulas etc)

raquidianos (31 pares)

gânglios

simpáticos

parassimpáticos

O encéfalo está contido na caixa óssea craniana e a medula espinhal corre pelo interior da coluna vertebral. Encéfalo e medula estão formados por células da glia, corpos celulares de neurônios e por feixes de dendritos e axônios.

A camada mais externa (córtex) do encéfalo tem cor cinzenta e é formada pelos corpos celulares dos neurônios. A massa encefálica mais interna tem cor branca e é constituída por fibras nervosas (dendritos e axônios). A cor branca é devida à bainha de mielina que reveste as fibras. Na medula espinhal ocorre o inverso, ou seja, a substância branca é mais externa e a substância cinzenta é mais interna.

Quanto à condução do impulso, eles podem ser motores (eferentes), sensitivos (aferentes) ou mistos. Os motores transmitem o impulso dos centros nervosos para os órgãos efetuadores, por exemplo músculos e glândulas. Os sensitivos transmitem o impulso dos órgãos sensoriais para os centros nervosos. Os mistos têm fibras dos dois tipos, aferentes e eferentes.

Os atos voluntários são comandados pela substância cinzenta do cérebro. Partindo do cérebro, a ordem motora atinge a substância branca da medula, passa para os nervos raquidianos - que são todos nervos mistos - que atingem o órgão efetuador, determinando sua reação.

Além da proteção óssea, tanto o encéfalo quanto a medula espinhal são protegidos por três camadas sobrepostas de tecido conjuntivo, as meninges. A meninge mais externa é a dura-máter, a intermediária é a aracnoide e a mais interna é a pia-máter, já em contato íntimo com o encéfalo e a medula. Na pia-máter encontram-se os vasos sanguíneos para nutrição e oxigenação das células do SNC. Entre as trabéculas da aracnoide há um espaço preenchido pelo líquido céfalo-raquidiano ou cérebro-espinhal - o líquor. Este oferece proteção contra choques mecânicos.

Encéfalo dos vertebrados

  • Telencéfalo ou cérebro: lóbulos olfatórios e, nas aves e mamíferos, hemisférios cerebrais com circunvoluções. O córtex cerebral possui os centros da inteligência, memória, raciocínio e linguagem.

As várias vias sensitivas retransmitem impulsos dos órgãos dos sentidos, mediante cadeias de três a quatro neurônios, a locais particulares do córtex cerebral. Os impulsos são os responsáveis pela percepção e localização das sensações individuais. Os impulsos nestes sistemas também retransmitem, vias colaterais, para o sistema reticular ativador (SRA) na formação reticular do tronco cerebral. A atividade neste sistemaproduz o estado de alerta e consciente, que torna possível a percepção.

Um interessante efeito farmacológico sobre o SRA é a resposta de despertar produzida por agentes que mimetizam a ação do sistema nervoso simpático. A epinefrina (adrenalina), a norepinefrina (noradrenalina) e a anfetamina produzem despertar eletroencefalográfico e comportamento de alerta por baixar o limiar dos neurônios reticulares no tronco cerebral. A epinefrina e a norepinefrina secretadas pela medula suprarrenal em indivíduo em "stress" têm o mesmo efeito. Portanto, um dos efeitos da descarga adrenérgica maciça nas situações de emergência é o reforçamento do estado de atenção e de alerta, necessários para ação eficaz.

A capacidade dos anestésicos gerais de produzir a inconsciência parece ser devida, pelo menos em parte, à sua ação em deprimir a condução no SRA. Efeitos semelhantes de bloqueio são produzidos por doses anestésicas de barbitúricos.

  • Diencéfalo: tálamo e hipotálamo - controla as atividades motoras (musculares) e glandulares (hormonais), o sono, a consciência, o apetite, o comportamento, as emoções (defesa, temor, cólera).

Todas as mensagens sensoriais, com exceção das provenientes dos receptores de olfato, antes de atingir o córtex cerebral, passam pelo tálamo, que é uma região de substância cinzenta localizada entre o tronco encefálico e o cérebro. O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos nervosos para o córtex cerebral.

O tálamo transmite impulsos olfativos, visuais, auditivos, os de função motora, de associação lógica e os da função de linguagem.

O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela manutenção da homeostase corporal.

As emoções têm componentes tanto físicos como mentais. Elas implicam em cognição, um conhecimento da sensação e usualmente sua causa, afeto, a sensação em si, conação, o impulso para entrar em ação e modificações físicas tais como hipertensão, taquicardia e sudação. As regiões cerebrais implicadas nos processos emocionais estão no hipotálamo e sistema límbico (parte do encéfalo e que tem pequena porção relacionada ao olfato).

O hipotálamo é aquela região da extremidade anterior do diencéfalo.

Muitas fibras nervosas aferentes e eferentes conectam o hipotálamo ao sistema límbico. Também há importantes conexões entre hipotálamo e mesencéfalo.

  • Mesencéfalo: lóbulos ópticos - centro da visão em todos os vertebrados, com exceção dos mamíferos. Controlam os reflexos pupilares à luz e à acomodação. Recebe e coordena informações referentes ao estado de contração dos músculos e à postura corporal.

O tronco encefálico, formado pelo mesencéfalo, pela ponte e pelo bulbo raquidiano, conecta o cérebro à medula espinhal. A ponte é constituída principalmente por fibras nervosas mielinizadas que ligam o córtex cerebral ao cerebelo.

  • Metencéfalo ou cerebelo: controla o equilíbrio, a locomoção, a noção de distância e profundidade, o tônus e vigor muscular.

O cerebelo está relacionado, primordialmente, com a coordenação, ajuste e uniformidade dos movimentos. Ele recebe impulsos aferentes do córtex motor, dos proprioceptores, dos receptores táteis cutâneos, auditivos, visuais e, até viscerais.

Os impulsos dos proprioceptores nos músculos, tendões e articulações e dos receptores cutâneos, viscerais, visuais e auditivos, atingem o córtex cerebelar, através dos pedúnculos cerebelares superiores e inferiores. Através da ponte, os impulsos, da região motora do córtex cerebral, são distribuídos para todas as partes do córtex cerebelar.

  • Mielencéfalo ou bulbo: contém os centros vitais que regulam a respiração, a pressão sanguínea, a frequência cardíaca. A deglutição, a tosse, o espirro, as ânsias de vômito e o vômito, que são respostas reflexas, integradas no bulbo raquidiano.

O reflexo da deglutição é iniciado pelo ato voluntário de propelir o conteúdo bucal para a parte posterior da faringe.

A tosse é iniciada pela irritação do revestimento das vias respiratórias. A glote fecha-se e enérgica contração dos músculos respiratórios cria pressão intrapulmonar, depois do que, a glote subitamente se abre, causando uma descarga explosiva de ar.

O espirro é uma resposta, um tanto semelhante, à irritação do epitélio nasal e é iniciado pela estimulação das fibras de dor do nervo trigêmeo.

Atos reflexos

Os atos reflexos são comandados pela substância cinzenta da medula ou do bulbo. São realizados antes que o cérebro tome conhecimento dos estímulos. Um ato reflexobem conhecido é o reflexo patelar.

Peça a um amigo que se sente, cruze as pernas e feche os olhos. Com o lado da mão, dê-lhe um leve toque no joelho, abaixo da patela (rótula). Ele dará um pontapé no ar, sem querer. Isso é o reflexo patelar. Trata-se de um ato reflexo, involuntário e automático, que ocorre sem a participação do cérebro.

O repuxamento que a pancada no tendão produz no músculo da coxa estimula neurônios sensitivos. Nesses neurônios, então, surgem potenciais de ação, que se propagam por longos dendritos e atingem seus corpos celulares, situados nos gânglios dorsais da medula. Os axônios desses neurônios passam o impulso nervoso para neurônios motores, que levam a ordem de contração aos músculos da coxa. Completa-se assim um arco reflexo do tipo medular, circuito que envolve apenas a medula, os neurônios sensitivos e motores e que explica alguns atos reflexos.

Em animais e no homem, ocorrem contrações reflexas da bexiga e do reto cheios.

Sumário

- Sistema nervoso central
i. Encéfalo dos vertebrados
ii. Atos reflexos
iii. Nervos e gânglios nervosos
- Sistema nervoso periférico autônomo (SNPA)
Assine login Questões a responder image