Aulas à Distância durante a Quarentena - por Andrea Fernandez

Publicado em 14 de abril de 2020 Autor:

Era apenas mais um dia em nossa rotina; alarme, café, trânsito, imprevistos, aula das crianças, atrasos para reuniões, novas mensagens apitando no celular… até que fomos pegos de surpresa! Fomos obrigados a parar, a ficar, a nos silenciar, a não tocar, a nos acostumar com o convívio virtual onde a tecnologia se tornou o nosso único contato com o mundo.

Nas nossas casas, de repente o quarto virou uma sala de aula, a parede virou um mural, o quadro de anotação na geladeira virou uma lousa e, por aí, foram as transformações criativas para nos adequarmos à nossa nova realidade imposta por uma ameaça invisível e desconhecida; um vírus.

O mundo parou devido ao novo coronavírus – Covid-19. A rotina em escolas, cursos e atendimentos individuais foi totalmente alterada, fazendo com que os profissionais se reinventassem e criassem alternativas para se adequar à essa nova realidade. Para isso, muitos tiveram que manter as aulas e seus atendimentos à distância através das plataformas digitais. Estavam todos, crianças, profissionais e pais diante de um novo cenário, de adaptação e grandes desafios.

Para fazer essa nova dinâmica funcionar, requer muito mais atenção do aluno e muito mais recursos do profissional do outro lado. Além do pleno conhecimento do assunto a ser abordado, o mesmo terá de pensar em estratégias e ferramentas para definir a melhor forma de transmitir ideias e passar conhecimentos.

Como otimizar a aula ou o atendimento?

  • Procure um lugar quieto, com privacidade;
  • Certifique-se que a internet está funcionando adequadamente;
  • Certifique-se de que possui todos os materiais necessários;
  • Use fone de ouvido para melhorar a audição e consequentemente a atenção;
  • Garanta que o áudio esteja funcionando adequadamente (é sempre bom testar antes).

E o cenário?

Diante à situação todos têm que improvisar e fazer o melhor com o que já se tem. O essencial é ter uma boa iluminação, se não for possível ser natural garanta algum equipamento de luz. Uma imagem escura dificulta a visualização, impossibilitando assim o aprendizado. Opte por ambientes mais limpos, claros e neutros a fim de minimizar qualquer distração visual.

Como tornar este momento efetivo?

  • Peça para as crianças/pacientes/alunos não desligarem suas câmeras, pois o contato visual é muito importante durante esse tempo, pois já que não há o contato presencial, essa observação visual irá permitir ao profissional colher indícios para intervir quando necessário.
  • Peça para desligarem o áudio enquanto o profissional estiver falando, pois evita interferências sonoras.
  • No caso de aula/atendimento em grupo, garanta que todos serão ouvidos. Utilize recursos visuais, como placas vermelhas para quem quiser falar, ou verdes, caso a resposta para uma pergunta seja afirmativa, por exemplo, para garantir a interação e a participação de todos.
  • Deixe suas expectativas bem claras desde o começo, seja com um roteiro pré estabelecido ou uma lista das atividades que serão feitas.
  • Convide um participante para resumir ou repetir o que foi ensinado, a fim de solidificar o conhecimento transmitido, alternando o locutor e dinamizando a aula/atendimento.
  • Convide o seu aluno/paciente para compartilhar seu espaço, seus pertences com você. Mostrar a casa, seu brinquedo favorito, ou seu cantinho mais aconchegante.
  • Dê feedback constante e convide os participantes a fazerem o mesmo.

Como despertar o interesse através das atividades?

  • O ideal é que o tempo seja administrado com dinamismo, atividades curtas e variadas. As atividades atrás de uma tela tendem a se tornar mais monótonas e cansativas.
  • As atividades devem ser planejadas de acordo com o público e sua faixa etária, a fim de adequar a comunicação, falando a mesma língua e despertando o interesse dos alunos.
  • Proponha desafios no início ou no final da aula/atendimento.
  • Faça jogos como: Stop, Charada, Quem Sou Eu, Desenho às Cegas (um dá as instruções oralmente e o outro tem que seguí-las), Cara a Cara (se os dois tiverem o jogo), Mímica, Forca, etc.
  • Comece com uma atividade de foco e atenção, algo para trazer presença para aquele momento: jogo dos erros, imagens de ilusão de ótica, “brain teasers”, enigmas. etc.
  • Tenha atividades extras e materiais alternativos para utilizar como plano B, caso alguma atividade planejada não funcione como previsto.

Diante disso, o que esperar?

A situação é nova e desconhecida para todos, portanto não espere que tenhamos respostas para todas as perguntas. Ninguém sabe quanto tempo esta situação vai durar, nem qual será o impacto de tudo isso. Não podemos prever como será o resultado dessa nova experiência, se não vivenciarmos o momento e passarmos juntos pelo processo de aprendizado. O importante é não desistir diante dos desafios e acreditar que estamos fazendo o nosso melhor diante do que a vida está nos propondo. Precisamos ser pacientes e viver cada dia de uma vez!

Fonte imagem: Istock

O Portal Mais Completo para Alunos e Professores!

ASSINE O EDUCABRAS

Posts Relacionados

Os comentários não representam a opinião do EducaBras.